Gestão de processos industriais: 7 benefícios de aplicar na prática

Entenda a importância de realizar uma boa Gestão de Processos Industriais e como realizar esse trabalho na prática. E mais: confira 7 benefícios que comprovam que você deve iniciar desde já!

Tempo de leitura: 7 minutos
A tecnologia é essencial para a gestão de processos industriais

Em um ambiente altamente competitivo, não dá para deixar de lado a gestão de processos industriais. Afinal, qualquer erro, desde uma etapa interrompida na cadeia de produção até uma máquina que quebra no meio da fabricação, pode reduzir a qualidade de seus produtos entregues. 

Esses erros são comuns quando sua empresa não possui um conjunto de etapas documentadas para cada etapa da operação. É aqui que entra a gestão de processos industriais: garantir que tudo será feito conforme o planejado. 

Ao longo deste conteúdo, vamos explorar o que é esse tipo de gestão e como pode ser usada para reduzir erros em todos os seus procedimentos. Isso inclui desde o contato com os fornecedores, as operações no chão de fábrica, até o final da sua cadeia de suprimentos, com a entrega dos produtos e a atuação da indústria com marketing. Vamos lá!

O que é gestão de processos industriais?

A gestão de processos industriais é uma área de atuação na qual a organização usa vários métodos para planejar, modelar, analisar, medir, melhorar, otimizar e automatizar as etapas de cada processo.

Sabemos que os processos industriais são divididos em etapas, como:

  • Contato e manipulação da matéria-prima;
  • Trabalhos de condicionamento para transformar a matéria-prima;
  • Processo de transformação com as técnicas correspondentes à indústria;
  • Separação da matéria-prima para convertê-la em produto;
  • Criação dos produtos finais.

Em cada uma delas, existem ações que são realizadas pelos profissionais e pelas ferramentas industriais. Essas mesmas etapas ainda podem fazer parte de tipos diferentes de processos, como a fabricação em lote ou a fabricação contínua.

Nesse cenário, como podemos lidar com algo tão complexo, que envolve passos distintos entre cada uma dessas fases? É aqui que entra a gestão de processos industriais. O objetivo é manter tudo funcionando conforme a expectativa e planejamento da organização.

Para entender melhor, vamos usar o exemplo de uma indústria automobilística. Ela conta com um processo de fabricação complexo, que requer uma série de ações cuidadosamente planejadas. Ou seja: existem tarefas relacionadas e ligadas entre si para encontrar seu fim na entrega de um veículo pronto.

Percebe que são tarefas vinculadas, agrupadas e que constituem um mesmo processo para chegar na entrega final? Cabe ao gerenciamento de processos assumir o controle deles, que podem ser estruturados ou não estruturados, repetitivos ou variáveis.

Como identificar se os processos industriais são eficientes?

Quando falamos da gestão de processos industriais, não estamos simplesmente nos referindo a um software. Claro que essa será uma ferramenta essencial para o sucesso de qualquer gerenciamento, mas aqui estamos falando de uma forma de trabalhar.

Aplicando o conceito que vimos agora, isso permite que as empresas sejam proativas e ágeis no dia a dia:

  • Os processos têm melhor visibilidade e transparência, e podem ser otimizados;
  • As atividades são organizadas em processos individuais e podem ser gerenciadas muito bem de um ponto de vista estratégico, organizacional e tecnológico;
  • Tudo pode ser integrado na cadeia de tecnologia para alcançar a transformação promovida pela Indústria 4.0.

Mas afinal, como identificar se os processos executados e gerenciados hoje dentro de uma indústria são eficientes ou não?

A melhor forma é mapear seus processos em detalhes. Isso já fornece uma visão sobre a duração, os recursos necessários, a frequência e os custos de cada etapa do processo como um todo.

Com esse nível de detalhamento para cada uma de suas operações, redundâncias e os custos excessivos podem ser eliminados,  assim como problemas de controle de qualidade passam a ser identificados.

Assim, para tornar os processos mais eficientes sem ter que impactar diretamente suas etapas de produção, é preciso medir e analisar em quais estágios dá para fazer reduções significativas de custos.

Qual a importância da gestão de processos na indústria?

Com a gestão de processos, eles são vistos como os ativos mais importantes para uma organização. E podemos dizer que essa escolha é feita com razão.

As empresas que implementam processos padronizados e com um fluxo claro de gerenciamento têm uma taxa de sucesso muito maior em seus projetos – quando fazemos a comparação com aquelas que não o fazem. Esse é o grande benefício da gestão de processos na indústria.

Ao compreender, gerenciar e desenvolver esses processos como ativos, as empresas podem fornecer produtos e serviços de qualidade a clientes ou consumidores. Mas ainda há vários outros fatores e vantagens que explicam os motivos de começar agora mesmo a implementar um processo de gestão na indústria.

Confira os 7 principais:

1. Agilidade

Um dos recursos mais importantes da gestão de processos industriais é que ela facilita o rápido andamento dos processos. Ela também oferece a flexibilidade necessária para fazer mudanças no processo a um custo mínimo.

Isso significa que tudo pode ser facilmente personalizado para atender ao requisito de agilidade.

Muitas vezes, as organizações enfrentam a necessidade de mudança como resultado de novas regulamentações, requisitos de mercado ou novas formas de trabalho. Por isso, pessoas e ferramentas precisam de mais inteligência e agilidade na tomada de decisão.

Os problemas precisam ser resolvidos mais rapidamente e a comunicação deve ser fluida. Tudo isso representa a agilidade, alcançada quando existe um fluxo claro de gerenciamento e controle nas diferentes etapas.

2. Produtividade

O gerenciamento deve suportar a automação de diferentes etapas repetitivas e também os procedimentos regulares. É possível eliminar gargalos e melhorar a produtividade com a introdução do processamento automático de tarefas e com a remoção de etapas desnecessárias.

Com isso implementado, seus funcionários podem gastar mais tempo em atividades centrais e não ter que lidar com funções básicas. Eles se concentram principalmente em atingir metas, melhorando as ferramentas de gerenciamento, controle, análise e modelagem.

Nesse momento, ao investir em novas ferramentas, estará ajudando a empresa a aumentar a produtividade. Claro que é necessário identificar tecnologias que também proporcionem a eficiência da produção e integrá-las aos negócios e à infraestrutura atual. Uma opção é contar com uma plataforma de checklist digital para todos os processos.

3. Eficiência

Com o suporte da gestão, conseguimos ter uma melhor visibilidade e transparência dos processos na indústria. Assim, é possível focar no que está ineficiente no momento. 

Aumentar a eficiência significa que vamos economizar nossos recursos. No final, são etapas melhor projetadas, otimizadas e processos monitorados.

O foco principal é definir os 3 pilares da eficiência:

  1. Começar automação de processos repetitivos de baixo valor para o resultado final da indústria;
  2. Contar com a terceirização de etapas, melhorando significativamente a qualidade dos serviços e reduzindo seus custos;
  3. Estabelecer metas alcançáveis e motivadoras dia a dia, baseadas em análises reais.

4. Conformidade e Transparência

As organizações precisam estar em conformidade com as diferentes Normas Regulamentadoras (NRs), regulamentações governamentais e outras diretivas existentes para o setor.

A gestão de processos industriais deve, então, lidar com a rápida implementação desses requisitos, ajudando a evitar potenciais atrasos e, assim, possíveis sanções e penalidades. Os processos organizacionais precisam ser altamente transparentes, visíveis e acessíveis para os funcionários e auditores.

5. Foco no Cliente

Graças a processos otimizados e maior produtividade, conseguimos nos concentrar melhor no cliente, concorda?

Podemos responder melhor às suas propostas, criar soluções com mais rapidez e adaptar-se a elas. Os clientes determinam o sucesso ou o fracasso de qualquer indústria ou empresa no mercado

Assim, se não conseguir gerenciar as etapas para também dar atenção aos clientes, saiba que seus concorrentes podem tomar seu espaço no mercado.

6. Mensurabilidade

Na era do Big Data, ter todos os processos mensuráveis, que podem ser comparados com os resultados históricos a qualquer momento, é um importante diferencial competitivo.

O trabalho de gestão também foca nessa frente e fornece relatórios e análises completas sobre as etapas do processo de fabricação. Eles podem ser quantificados, otimizados e usados ​​como suporte para uma tomada de decisão mais eficaz.

Aqui, as principais métricas de desempenho que pode acompanhar estão sempre relacionadas com eficiência, eficácia, produtividade, qualidade e lucratividade.

7. Integração com novas tecnologias

A gestão de processos industriais também preenche a lacuna de comunicação entre os usuários envolvidos nos diferentes processos e as novas ferramentas.

O principal esforço é usar padrões nessas ferramentas, para que todos fiquem na mesma página quanto ao uso correto. Isso é especialmente importante ao implementar soluções conectadas com a Indústria 4.0 no Brasil.

Ferramentas de checklist online, por exemplo, fazem toda a diferença na hora de qualquer gestor levantar dados e informações completas. Independente do foco de produção, esse tipo de tecnologia permite desenhar os planos de ação, fundamentais para seguir todo o planejamento desenhado.

Como realizar uma gestão de processos industriais eficiente?

Depois de chegar até aqui, você certamente está com essa dúvida, certo? Afinal, qualquer indústria pode implementar o gerenciamento de processos. Mas como dar o primeiro passo?

Primeiro, precisamos destacar que já passamos do tempo em que essa abordagem, por mais que seja simples, era feita usando apenas papel e caneta. Agora, para garantir a padronização de todo o processo, contar com um software é fundamental.

Em resumo, toda a implementação do gerenciamento de processos na indústria passa pela documentação dos processos. Ou seja, você lista seus processos atuais, documenta cada um deles – incluindo os membros da equipe envolvidos – e, em seguida, executa e testa. 

Podemos simplificar o processo completo de implementação da gestão em três partes principais:

  1. Pré-implementação (plano);
  2. Implementação (execução);
  3. Reimplementação (revisão).

Para esclarecer ainda mais, vamos detalhar cada uma delas.

1. Pré-implementação (plano)

A primeira etapa para a entrada do trabalho de gestão é definir o escopo do projeto. Isso ajuda a criar limites e garante que todos entendam o que a equipe está tentando realizar, a complexidade ou dificuldade potencial das etapas de gestão e o que está dentro ou fora do padrão esperado.

Para estabelecer esse planejamento, a equipe precisa definir:

  • Qual é a necessidade de negócios que cada processo oferece?
  • Qual é o escopo dos processos que cada um está envolvido?
  • Quais são as entradas que acionam cada processo?
  • Qual é a saída esperada do processo?

Uma vez que a equipe tenha delineado o escopo geral, eles precisam usar critérios claros que avaliem coisas como alinhamento estratégico, risco e impacto para determinar qual é a necessidade principal. É a partir dela que devemos iniciar a implementação de fato.

2. Implementação (execução)

Agora é a hora de colocar a mão na massa! Com o planejamento pronto, você já sabe qual a sequência de processos que se conectam e como precisa fazer auditorias na rotina para garantir que tudo seguirá a sequência correta.

Isso já explica porque a maioria das indústrias depende de alguma forma de gerenciamento centralizado. Isso ajuda a impulsionar a adoção das etapas corretas e o alinhamento entre equipes responsáveis por processos complementares.

Recursos centralizados, por meio de uma ferramenta, fornece alinhamento estratégico, governança e divisão claras de responsabilidades. Em outras palavras, a centralização ajuda a organização a lidar com muitos dos desafios associados à implementação de uma cultura focada no processo de gestão

Por meio de checklists e de uma solução que mantenha as informações em um único sistema, é possível criar um roteiro de implementação, gestão e avaliação que pode ser seguido pelos responsáveis. 

→ Dica: Conheça o Checklist Fácil e veja como agendar a aplicação de checklists na indústria, além de solucionar as não conformidades por meio de planos de ação.


    3. Reimplementação (revisão)

    A gestão de processos industriais é algo que está em constante evolução. Por isso, uma revisão em todas as etapas é algo natural de acontecer de forma contínua.

    Com tudo centralizado, fica mais fácil identificar onde estão os pontos de melhoria e como ajustar no dia a dia as etapas que estão atrasando.

    Implemente o gerenciamento de processos na sua indústria hoje!

    Vimos que a gestão de processos industriais pode começar a partir da documentação dos processos atuais para depois traçar rotas de auditoria que vão validar se cada um deles está seguindo o fluxo correto. E sabia que dá pra começar a fazer isso ainda hoje, mesmo para processos mais complexos?

    Você pode criar checklists e planos de ação para qualquer tipo de auditoria e checagem na fábrica com o Checklist Fácil!
    O gerenciamento de processos de negócios traz muitos benefícios aos negócios, portanto, saia na frente e comece a usar a ferramenta hoje mesmo. É só solicitar aqui seu orçamento!

    Convidados especiais fazem parte do nosso blog. Especialistas incríveis que podem contribuir com conteúdo de qualidade para os leitores.
    Autor convidado

    Posts Relacionados

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *