O que é indústria metalúrgica, o que produz e qual sua importância?

Você já pensou como seria a nossa vida sem os metais? Com certeza, seria muito difícil. Até porque elas estão presentes em praticamente tudo que usamos, desde carros às seringas para aplicação das vacinas. Mas e esses metais, como são fabricados? Siga a leitura e saiba tudo sobre a indústria metalúrgica.

Tempo de leitura: 8 minutos
Profissional da indústria metalúrgica trabalhando com metal

A indústria metalúrgica é uma das indústrias de base mais importantes. Afinal, ela está por trás de outras grandes indústrias como a automobilística, a de comunicação, tecnologia, transporte e a de medicina. Sem falar na infinidade de setores que dependem dos metais como matéria-prima.

Desde que o ouro foi derretido pela primeira vez há mais de 10 mil anos, o uso dos metais passou a ser essencial para a vida humana.

Sendo assim, entender como funciona a indústria metalúrgica, como seus produtos impactam nas funções das demais empresas e de que forma ela está se atualizando com as novas tecnologias é essencial. E é justamente o que você vai aprender com a leitura deste conteúdo. Siga em frente! 

O que é uma indústria metalúrgica? 

Existem diversos tipos de indústria no mundo. A indústria metalúrgica é a que faz parte das classificadas como indústrias de bens de produção. Ela se dedica a transformar metais em produtos que servem de matéria-prima e peças para produção de outros itens.

Também conhecida como indústria de base, a metalúrgica parte do derretimento de metais ferrosos e não-ferrosos.

Os ferrosos são ligas de ferro e carbono, que podem ainda conter em sua composição mais elementos químicos como crômio, fósforo, cobre, silício, enxofre, manganês, entre outros. Em alguns casos, esses metais são recicláveis.

Seu uso mais comum é na fabricação de utensílios domésticos, como panelas e baixelas em inox, peças para fabricação de veículos, ferramentas em geral, perfis estruturais para construção civil, latas para bebidas e alimentos, entre uma infinidade de usos.

Já os não ferrosos são aqueles que não contêm ferro em sua composição, de forma que são mais duráveis e resistentes à corrosão. Entre eles, os mais comuns são:

  • Alumínio;
  • Cromo;
  • Níquel;
  • Chumbo;
  • Estanho;
  • Cobre;
  • Tungstênio;
  • Cobalto;
  • Latão;
  • Zinco.

Seus principais usos são para a fabricação de:

  • Tubos de água e cilindros para instalação de aquecimento central, de válvulas, bombas e hélices na construção naval, de fios elétricos, cabos e condutores (cobre);
  • Turbinas para aviões (níquel);
  • Placas de circuitos impresso (silício);
  • Componentes de fornos e eletrônicos (cromo).

Simplificando, a indústria metalúrgica se destina a derreter metais e misturar com outros minérios para a fabricação de outros produtos.

O que a indústria metalúrgica produz? 

A descoberta do fogo e da utilidade de derreter metais marcou os primórdios da indústria metalúrgica mundial – que ganhou importante fôlego com a revolução industrial de 1760.

Hoje, com o consumo de massa, é uma das indústrias de base que mais faturam dia após dia.

Como exemplo desses números, a ArcelorMittal, uma das maiores empresas brasileiras do setor, chegou a alcançar uma receita de US$ 6,7 bilhões e lucro líquido de US$ 635 milhões em 2018, produzindo cerca de 10 milhões de toneladas.

Isso porque a indústria metalúrgica atua na produção de 6 diferentes matérias-primas para as demais indústrias. Conheça cada uma delas a seguir!

1 – Produção de ferroligas 

Ferroligas são a mistura de materiais, contendo, principalmente, o ferro e o níquel na sua composição básica. Junto com eles, outros elementos como cromo adicionam propriedades que o ferro, por si só, não teria.

Algumas delas são: resistência mecânica e à corrosão, condutividade elétrica e térmica e temperatura de fusão ou brilho.

As ferroligas podem ser, ainda, consideradas materiais mais eficientes que o aço em diversas situações. Ou, até mesmo, fazer parte de ligas de aço, para melhorar seu desempenho. 

2 – Produção de ferro-gusa 

O Ferro-gusa é produzido a partir do derretimento do minério de ferro e calcário em alto forno, usando de combustível o carvão vegetal. Quando tudo isso esfria, forma o ferro-gusa, um produto de alto carbono.

Por sua instabilidade e fragilidade, passa por mais processos de fusão e mistura com outros elementos para formar os lingotes, matéria-prima para o ferro forjado, o ferro fundido e o aço. 

3 – Produção de metais não-ferrosos 

Os metais não ferrosos, como já diz o nome, são aqueles que não possuem ferro em sua composição. Por causa disso, não são magnéticos. Entre eles estão o cobre, o chumbo, o alumínio e o zinco.

O cobre, por sua alta condutividade e maleabilidade, é muito usado para fiação elétrica e tubos de encanamentos de aquecedores de água.

O alumínio oferece ótima resistência mecânica e é perfeito para manutenção da temperatura. Por isso, sempre foi muito utilizado na fabricação de panelas e talheres. Além disso, por ser leve, atualmente é a base para a produção de latas de bebidas, alimentos e também usado na construção civil.

Já o chumbo está em um momento de decadência, desde que foi verificada a sua toxicidade para o ser humano, impactando negativamente também no meio ambiente. Mesmo assim, alguns tipos de indústria ainda o utilizam em função da sua resistência a ácidos.

Em contrapartida, o zinco é muito utilizado na galvanização de estruturas de aço e na produção de ligas, como o latão, que resulta da sua mistura com o cobre. A mineração do zinco responde por aproximadamente US$ 18,5 bilhões para a economia mundial. 

4 – Fabricação de tubos 

As indústrias metalúrgicas que trabalham com a produção de tubos fabricam esses itens a partir da extrusão a frio ou a quente. No caso, a matéria-prima é empurrada contra uma matriz no formato de tubo, adquirindo a forma na bitola desejada, para, assim, resultar no produto final.

Os principais materiais-base dos tubos são: ferro fundido, aço e cobre. 

5 – Siderurgia 

As indústrias metalúrgicas que atuam na siderurgia são as que têm como produto final o aço e o ferro fundido. Sendo o aço uma das ligas metálicas mais utilizadas na indústria mundial.

Afinal, é utilizado em segmentos como:

  • Construção civil;
  • Agricultura;
  • Indústria automobilística, naval e aeroespacial;
  • Medicina;
  • Produção e distribuição de energia (tanto em hidrelétricas, termelétricas e usinas nucleares quanto eólicas);
  • Indústria petrolífera;
  • Na própria mineração.

Com tudo isso, mesmo em momento de pandemia, a indústria do aço só cresce no Brasil. Segundo a ABM – Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração, a produção brasileira de aço bruto aumentou 6,2% no primeiro trimestre de 2021.

6 – Fundição 

A fundição é a parte da indústria metalúrgica que dá diferentes formas ao ferro derretido.

Após ser exposto a fornos de altíssima temperatura e virar líquido, ele é colocado em moldes e, após esfriar, resulta no formato da sua matriz. Este é o produto final: a peça fundida.

Os metais mais usados na fundição são bronze, aço, magnésio, latão e zinco.

Por ser um dos processos mais antigos da indústria metalúrgica, produz uma infinidade de itens. Do aço podem ser fundidos peças para fornos, tornos, blocos para motor de automóveis e aviões, pistões e seus anéis, bases de máquinas e ferramentas, rodas dos mais diversos usos e engrenagens, e eixos de manivela.

Do bronze, são fundidos historicamente sinos, troféus, prêmios e placas de homenagem. Em contrapartida, o magnésio é muito utilizado na indústria automobilística, como na fundição das rodas de magnésio e nos motores.

Enquanto isso, o latão fundido é bastante utilizado na indústria alimentícia como nas caldeiras e porta-filtro para máquinas de café expresso. Já na indústria sanitária, podem ser produzidas torneiras, válvulas, conexões e ralos. E na decoração em geral, o latão é encontrado em puxadores de portas e de móveis.

Por último, o zinco é utilizado na composição com o bronze para aumentar a dureza, melhorar a resistência à pressão e ao uso contínuo. 

Conheça os diferentes tipos de indústria metalúrgica 

Por ser uma indústria de base, a metalúrgica fabrica, a maioria das vezes, a matéria-prima para que outras empresas elaborem o produto final.

Como vimos anteriormente, são diversos os minerais que servem de substrato para fabricação de metais que servirão como base para outros produtos. O que diferencia esse tipo de indústria é a sua função e o tratamento dado ao metal.

Dessa forma, podemos dividí-la nos 3 seguintes grupos. 

1 – Fundição 

Como já foi visto, essa indústria é especializada na fabricação de peças para outras indústrias, através do derretimento de metais. Para, depois, colocá-los em matrizes até que esfriem e tomem a forma da peça a ser utilizada.

Essa fundição pode acontecer com moldes de areia, em coquilha, sob pressão ou tixofundição.

  • A fundição em moldes de areia é usada quando a quantidade de peças a ser produzida é pequena ou os tamanhos das peças são muito grandes ou com muitos detalhes;
  • A realizada em coquilha é feita quando é usado o molde metálico;
  • No caso da fundição sob pressão, o metal líquido é injetado num molde de aço através de um pistão;
  • Já a tixofundição ocorre quando há o uso do alumínio em “pasta” – e não líquido – para preenchimento do molde.

2 – Soldagem 

Por meio do calor e de um metal de solda, a indústria de soldagem “cola” partes de um metal umas às outras, unindo definitivamente essas partes, com o objetivo de formar uma determinada peça.

É muito usada no setor metalmecânico, construção civil, automobilístico, entre outros. 

3 – Usinagem 

Na usinagem, a metalúrgica também tem objetivo de dar forma a uma peça específica de metal. A diferença da fundição é que, aqui, não são usados moldes.

As peças metálicas brutas ganham forma através do corte e desbaste com lâminas ou produtos químicos, que podem atuar em vários ângulos. A partir de um projeto, o operador ou a máquina dão a forma ideal ao item.

Em todas essas indústrias, as máquinas precisam de manutenção constante e os operadores, de uma lista atualizada de suas tarefas e demandas. Vendo-se, assim, a importância de checklists em todos os processos. 

Qual a diferença entre a indústria metalúrgica e siderúrgica? 

Para entender a diferença entre a indústria metalúrgica e a siderúrgica, é preciso olhar para os materiais que cada uma pode fabricar.

Primeiro, compreenda que o setor “indústria metalúrgica”, abarca a siderúrgica, sendo que ela trabalha um tipo de metalurgia específico.

A siderúrgica se dedica a fabricação e tratamento de ferro e aços fundidos em fornos de alta temperatura, que ultrapassam 1.300oC.

Enquanto são classificadas como metalúrgicas as demais indústrias de base que fabricam vários outros tipos de metais, como alumínio, titânio, cobre e ferro. Além de atuar em fornos que não necessitam de temperaturas tão altas.

Principais desafios da indústria metalúrgica 

Como em boa parte da indústria brasileira, a metalúrgica sofre com alguns desafios que impactam diretamente em seu resultado.

A falta de mão de obra capacitada é um deles.

Para combater esse problema, a ABM oferece cursos de capacitação, inclusive através de plataformas online, para facilitar o acesso dos profissionais que querem trabalhar na área.

Outras instituições do setor, como a ABAL – Associação Brasileira de Alumínio – e a ABINOX – Associação Brasileira de Aço Inoxidável – também oferecem cursos específicos.

Outro desafio das indústrias metalúrgicas é a falta de inovação e tecnologia.

Muitas empresas usam a máxima “em time que está ganhando, não se mexe”. Ou seja, continuam produzindo nos moldes de décadas passadas, não vendo as novas oportunidades em otimizar processos e implementar tecnologias modernas.

Em contrapartida, empresas que optam por sair do lugar comum e buscam acompanhar as tendências mundiais, geralmente colhem resultados muito positivos.

Um exemplo dessas empresas é a Companhia Siderúrgica Nacional que, apesar dos 80 anos de existência no Brasil, em 2021 chegou a um valor de mercado de R$ 60,9 bilhões.

De acordo com um estudo encomendado pela multinacional Qlik, 90% das empresas que investem em tecnologia chegam a ver seu lucro melhorar em até 24%.

O terceiro desafio envolve os raros investimentos em novas redes de distribuição de energia elétrica que, em alguns locais, tiram o sono dos gestores. Afinal, a atividade metalúrgica tem uma grande demanda de energia para funcionar plenamente.

Outros desafios são a sustentabilidade ambiental, a concorrência (que deixou de ser local para ser global) e a segurança no trabalho. 

Por que é importante investir em tecnologia na indústria metalúrgica? 

É comprovado: as empresas que investem em tecnologias, como sistemas de gestão integrado, de controle de tarefas, de análise de indicadores, em automação e em soluções de checklist despontam na frente.  

Hoje, a tecnologia está em tudo, desde a comunicação com clientes, em que ela permite que as mensagens sejam enviadas e recebidas praticamente just in time e sem fronteiras.

Já os softwares de gestão permitem a tomada de decisão mais assertiva, baseada em dados constantemente atualizados.

Sistemas de gestão de processos, de projetos e de tarefas mudaram o cenário da produção. A produtividade que antes era medida pelo horário que funcionário estava na empresa, hoje passou a ser avaliada por entregas.

A automação também revolucionou o chão de fábrica, permitindo um incremento gigante na produtividade.

Outras soluções que estão mudando os processos de checagem e garantindo mais eficiência são as ferramentas de checklist online. Elas permitem que as informações sejam geradas e conferidas no mesmo momento, oferecendo mais segurança para todos.

Além disso, também garantem mais assertividade na execução das tarefas, já que o colaborador terá um guia à mão para direcionar o seu trabalho.


    Outro ponto importante da implementação de tecnologias nas metalúrgicas está nas soluções que ajudam as empresas a agirem de forma mais sustentável, respeitando o meio ambiente.

    Através de tecnologias que favorecem a reciclagem, o uso racional de recursos naturais e as análises de efluentes é possível ter indicadores de como a indústria está atuando e até usar essas informações a favor da imagem da empresa.

    Por último, a tecnologia também é aliada na qualificação de pessoal. Muitas empresas oferecem capacitação e treinamentos online para seus colaboradores. Agora, com o Coronavírus, essa tendência tende a crescer exponencialmente.

    Como a solução da Checklist Fácil pode ajudar a indústria metalúrgica? 

    A solução de checklist online da Checklist Fácil pode ajudar muito todos os tipos de indústrias. E a metalúrgica não pode ficar de fora.

    Com ela, é possível organizar e controlar desde a manutenção das máquinas e a execução de tarefas até a conferência do uso de EPIs e o cumprimento das Normas Regulamentadoras.

    E mais: ela permite  criar planos de ação, gerar relatórios e realizar todos os tipos de auditoria e checagem. Uma verdadeira “mão na roda” nas rotinas da indústria metalúrgica.

    Para entender todos os benefícios que o Checklist Fácil pode trazer para a sua empresa, agende uma demonstração gratuita e surpreenda-se!

    Convidados especiais fazem parte do nosso blog. Especialistas incríveis que podem contribuir com conteúdo de qualidade para os leitores.
    Autor convidado

    Posts Relacionados

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *