Guia rápido da segurança do trabalho: o que é, para que serve, atividades e normas

A segurança do trabalho é uma área fundamental em qualquer empresa. A sua atuação impacta diretamente no negócio e no bem-estar dos colaboradores. Aprenda mais sobre o conceito, as atividades, os riscos e mais!

ícone autor blogpost Marina ícone data de postagem e atualização14/08/2020 ícone data de postagem e atualização08/10/2020 ícone comentários0 comentários ícone categoria principal Segurança do Trabalho ícone tempo de leitura 4 minutos
Compartilhe este Post  : 

Qual é a importância da segurança do trabalho? Segundo dados do Observatório de Segurança e Saúde no Trabalho, entre 2012 e 2018, houve 1 notificação de acidente a cada 49 segundos. Tudo isso, considerando apenas funcionários de carteira assinada.

Essa informação é alarmante e demonstra a relevância da área em empresas de qualquer segmento. Para que o cenário seja modificado, é necessário implementar boas práticas, que visem à proteção e à saúde do trabalhador.

Por isso, neste post, vamos entender:

  • O que é segurança do trabalho e para que serve?
  • Quais são os tipos de riscos ocupacionais?
  • Quais são as principais atividades? 
  • O que faz um técnico de segurança do trabalho?
  • Normas regulamentadoras

Continue acompanhando o post para não perder nenhuma informação!

O que é segurança do trabalho e para que serve?

Segurança do trabalho é uma ciência que analisa fatores de risco e causas de acidentes, durante o exercício do trabalhador. Além disso, também define medidas de prevenção no ambiente de trabalho.

Conforme Paulo Roberto Barsano e Rildo Pereira Barbosa (2018), no livro Segurança do trabalho: guia prático e didático:

“Seu principal objetivo é a prevenção de acidentes, doenças ocupacionais e outras formas de agravos à saúde do profissional. Ela atinge sua finalidade quando consegue proporcionar a ambos, empregado e empregador, um ambiente de trabalho saudável e seguro […]”.

Desse modo, a área serve para promover condições de segurança e de saúde no local de trabalho. Assim, tanto os colaboradores quanto as empresas são beneficiados, já que o risco de acidentes é reduzido.

Quais são os tipos de riscos ocupacionais?

De acordo com a Portaria Nº 25/1994, os riscos ambientais ocupacionais se classificam em 5 grupos.

Essa definição é feita de acordo com a sua natureza: físicos, químicos, biológicos, ergonômicos e acidentes. Vamos entender melhor cada um deles?

Físicos

Os riscos físicos se referem a ruídos, vibrações, pressões anormais, umidade, entre outros.

Nesse sentido, é preciso avaliar as medidas preventivas efetivas, como uso de EPIs, exposição por tempo limitado, alternância de turnos etc. 

Químicos

Em relação a esse tipo de risco, eles envolvem poeira, gases, vapores, substâncias e produtos químicos em geral.

Assim, para esse tipo de contato, é fundamental o treinamento para colaboradores.

Biológicos

No caso dos riscos biológicos, que abrangem vírus, bactérias, protozoários, parasitas etc, é muito importante promover a higiene e a saúde no trabalho.

Afinal, antes de mais nada, esse tipo de ação vai desinfetar o ambiente, diminuindo o risco de contágio.

Ergonômicos

Os riscos ergonômicos incluem: esforço físico, transporte de peso, postura inadequada, ritmo excessivo.

Portanto, para este item, o empregador deve fornecer equipamentos adequados à rotina do trabalhador. 

Além disso, em casos de exigências inadequadas por parte da empresa, o colaborador deve reportar as irregularidades aos órgãos competentes.

Acidentes

Acidentes podem ser causados por equipamentos com defeito, eletricidade, risco de incêndio, entre outros.

Cada empresa deve avaliar o ambiente e a atividade, de modo a tomar todas as medidas possíveis para a prevenção de acidentes. Isso envolve desde a infraestrutura até o especialização contínua dos colaboradores. 

Agora que já entendemos um pouco mais sobre os riscos ocupacionais, é hora de saber como se coloca a mão na massa para evitar tudo isso. Vem com a gente!

Quais são as principais atividades? 

Segundo Celso Augusto Rossete (2014), no livro Segurança e Higiene do trabalho, apresenta uma abordagem multiprofissional da saúde ocupacional.

Nesse sentido, ele aborda três frentes: medicina do trabalho, higiene do trabalho e segurança do trabalho. 

A primeira se refere aos aspectos da saúde física e mental dos trabalhadores. Já a segunda, ao conforto e à eficiência dos funcionários.

Por fim, as ações em segurança estão diretamente relacionadas às medidas técnicas, médicas e psicológicas. Ou seja, aborda todos os cuidados necessários para a prevenção de acidentes.

Desse modo, as atividades da área envolvem:

  • Educação e treinamento dos trabalhadores;
  • Orientação do uso e da higienização de EPIs;
  • Planejamentos de sistemas de trabalho que antecipem riscos;
  • Prevenção de acidentes;
  • Investigação de causas e relações em doenças ocupacionais ou de trabalho;
  • Inspeções das condições de trabalho;
  • Cumprimentos das normas regulamentadoras;
  • Entre outras.

O que faz um técnico de segurança do trabalho?

O técnico em segurança do trabalho é responsável por todas as práticas que envolvem a prevenção de acidentes e a proteção dos colaboradores.

Assim, a sua atuação compreende a análise do estado da empresa, considerando ambiente, infraestrutura e riscos envolvidos.

A partir disso, ele precisa elaborar planejamentos que melhorem a rotina dos trabalhadores. Entre as suas atribuições, também estão as tarefas de estruturar treinamentos e promover a educação de toda a equipe.

Aliás, ele é o ponto focal da empresa no que diz respeito às medidas de prevenção. Além disso, outro ponto muito importante é estar por dentro das normas regulamentadoras.

Dessa forma, o time é protegido e, ao mesmo tempo, a organização se mantém de acordo com as regras de fiscalização sanitária.

Normas regulamentadoras

A Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-lei Nº 5.452 de 1º de maio de 1943, apresenta as normas acerca das relações de trabalho.

Além disso, as normas regulamentadoras, aprovadas pela Portaria nº 3.214, em 8 de junho de 1978, trazem orientações específicas. 

O conjunto de 37 normas é atualizado periodicamente e contém definições específicas por áreas. Confira a lista:

normas regulamentadoras em segurança do trabalho

Se quiser conhecer em detalhes cada uma das NRs, acesse nosso blog post com a lista completa das normas regulamentadoras.

Quer saber como você pode começar a implementar medidas de prevenção na sua empresa? Confira nosso material sobre a utilização de checklist eletrônico para segurança do trabalho.

Marina

Posts Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *