O que é Ciclo PDCA, quais as etapas e como implementar

O Ciclo PDCA é uma das ferramentas de gestão mais utilizadas em planos de ação para melhoria contínua de processos, produtos e serviços.
Atualizado em: 4 de novembro de 2022
Tempo de leitura: 5 minutos

O ciclo PDCA é uma das metodologias mais aplicadas nas empresas para aperfeiçoar processos diversos. Sigla de plan, do, check e act, ou Planejar, Fazer, Checar e Agir, traz como princípio básico a melhoria contínua, ou seja, o aperfeiçoamento ininterrupto dos processos e das atividades internas.

Otimizar o desempenho e a forma de atuação é um dos grandes desafios de gestão. Porém, com a ferramenta adequada, é possível tornar essa atividade algo natural, sem que seja necessário, portanto, elaborar projetos complexos para contornar problemas.

É nesse cenário que surge o ciclo PDCA. Ele é ótimo para promover planejamento e organização melhorando, assim, os resultados da empresa.

Quer saber tudo sobre esse ciclo de melhoria contínua? Vem que a gente te explica!

Afinal, o que é ciclo PDCA?

Resumidamente, o Ciclo PDCA é uma ferramenta de gestão utilizada para promover melhoria contínua nos processos e ambiente de trabalho. por meio de quatro etapas cíclicas. A metodologia tem como principal objetivo solucionar problemas e não conformidades a partir de planos de ação. Logo, tem foco especialmente na qualidade.

O Ciclo PDCA foi criado pelo físico e estatístico Walter A. Shewhart, na década de 20. Inicialmente, era composto por 3 etapas cíclicas: especificação, produção e inspeção.

Entretanto, em 1938, o físico William E. Deming descobriu seu estudo e passou a trabalhar com ele, visando aprimorar ainda mais a metodologia. Neste momento, houve a necessidade de inserir mais um passo nessa roda, fazendo surgir, então, o modelo conhecido até hoje.

Devido ao aprimoramento do método PDCA ao longo do tempo, este também leva os nomes de Ciclo de Shewhart e Ciclo de Deming.

Qual o objetivo do ciclo PDCA?

O seu foco principal é fazer com que as atividades sejam executadas de forma mais ágil, bem como tornar os processos mais claros e objetivos.

A grande vantagem é que sua aplicação abrange qualquer modelo de negócio. Isso permite que diferentes empresas possam aprimorar sua gestão, garantindo resultados melhores.

Sendo assim, o controle dos processos — tanto internos, quanto externos — passa a ser maior. Além disso, permite padronizar a forma de execução das atividades e buscar soluções que minimizem erros e seus impactos negativos.

Porém, vale ressaltar que, uma vez implementado, o ciclo PDCA deve ser contínuo. E mais: as etapas são cíclicas até que se alcance os resultados esperados, iniciando uma nova melhoria em seguida.

Como o ciclo de melhoria contínua funciona, na prática?

Como o próprio nome sugere, o funcionamento do PDCA é cíclico. Ou seja, a sequência reinicia assim que a anterior é concluída.

Ele segue os princípios do conceito de melhoria contínua. No caso, não tem fim. Tendo em vista que a busca por perfeição e qualidade em processos, produtos e serviços deve ser permanente.

O ciclo se inicia sempre com planejamento, o que exige muito mais dedicação do que apenas criar cronogramas pontuais. É aqui que o objetivo central do plano é identificado, bem como as estratégias para alcançá-lo são descritas.

Caso essa etapa não seja realizada de forma clara, as demais podem não surtir o efeito desejado. Afinal, todas elas são interligadas. No restante do ciclo, conforme mostraremos ainda neste conteúdo, as ações são executadas e, posteriormente, analisadas.

Caso não o objetivo não seja alcançado, o próximo passo é reiniciar a aplicação para encontrar onde está o erro para, enfim, solucioná-lo. Agora, se ele foi finalizado com sucesso, é hora de buscar novas melhorias contínuas no trabalho.

Quais as vantagens de utilizar o ciclo PDCA?

Uma das vantagens dessa metodologia é o seu formato flexível. Ou seja, ela não impõe a forma de colocar em prática cada etapa, mas sim a ordem mais adequada para obter êxito. Claro que o ideal é sempre seguir o plano inicial. Pois, isso faz com o próximo projeto seja ainda mais preciso.

O ciclo PDCA também oferece aprendizado constante. No caso, os profissionais conseguem visualizar, em tempo real, os resultados das suas ações. Bem como reconhecer erros e aprimorar acertos ao longo do projeto.

Outro diferencial da ferramenta é que, mesmo que indiretamente, ela aprimora algumas competências essenciais, como:

  • Pensamento estratégico;
  • Capacidade analítica;
  • Comunicação;
  • Resolução de problemas.

Assim sendo, contribui para o desenvolvimento das equipes e para o seu engajamento no dia a dia.

O ciclo de melhoria contínua, igualmente, reduz a incidência de erros uma vez que consegue identificar a origem de cada um deles. Logo, ajuda a eliminar desperdício de tempo e energia, fazendo com que a empresa atue de forma mais estratégica e eficiente.

Em quais situações devo usar o PDCA?

Por se tratar de uma ferramenta versátil, o ciclo de melhoria contínua é útil em diversas situações, inclusive em atividades simples do dia a dia. Entretanto, ele costuma ser mais usado para:

  • Organizar e melhorar processos e atividades diversas;
  • Tratar as não conformidades, visando aumentar a eficiência operacional;
  • Desenvolver novos produtos, de forma a garantir que eles atendam aos requisitos de qualidade;
  • Implantar padrões, bem como saber se eles são, de fato, eficientes.

Passo a passo para aplicar o ciclo PDCA

Como mencionamos, o PDCA é uma sigla e cada uma das letras corresponde a uma etapa do processo de melhoria. Conheça cada uma delas a seguir:

Plan (Planejamento)

Trata-se de uma das etapas mais importantes, uma vez que requer uma análise precisa do cenário. É aqui o momento de fazer um levantamento de riscos e possibilidades de falhas futuras. Após listar todos os riscos e falhas, deve-se delinear ações para eliminar as chances de ocorrências.

Vale lembrar que o planejamento deve ser elaborado de acordo com a cultura da empresa, as estratégias utilizadas e os objetivos almejados. Somente assim é possível definir o melhor caminho, visando às melhorias contínuas no trabalho.

Do (Execução)

Assim que finalizar a etapa de Planejamento, é hora de colocá-lo em prática seguindo-o fielmente. Afinal, não queremos correr o risco de comprometer, de forma negativa, o ciclo PDCA — visto que as fases são sequenciais e influenciam umas às outras.

Nesse ponto, é necessário, também, treinar os colaboradores. Explicando, por exemplo, as mudanças e a importância da participação de cada um. Não esqueça de registrar tudo para realizar uma avaliação posteriormente.

Check (Checagem)

Nesse momento, é feita a revisão de todo o o planejamento, buscando os riscos e as possíveis falhas que o ciclo PDCA pode apresentar. Além disso, é hora de avaliar os resultados obtidos com as modificações, comparando-os com as metas traçadas inicialmente.

Pode-se realizar essa verificação tanto durante a execução dos trabalhos, como monitoramento, quanto no final da etapa, no levantamento de ajustes necessários.

Act (Ação)

Essa é a última etapa do ciclo PDCA. Nela, é feita a aplicação dos ajustes identificados, buscando manter as melhorias continuamente. Ao mesmo tempo em que ela encerra o projeto, também inicia o próximo ciclo, através da definição de novos parâmetros.

Quais cuidados tomar na implementação do PDCA?

Apesar de parecer simples, existem alguns cuidados a tomar na implementação do ciclo PDCA. Isso porque algumas ações podem prejudicar os resultados e comprometer a eficiência do projeto. Dentre os principais, estão:

  • Seguir o planejamento;
  • Sempre elaborar ações para cada meta definida;
  • Informar e preparar os colaboradores para a execução das atividades planejadas;
  • Fazer a checagem periódica do que está sendo feito;
  • Identificar e executar as ações corretivas quando forem necessárias;
  • Não interromper o ciclo.

Dentro desse cenário, é importante destacar 3 requisitos para o sucesso do PDCA. São eles:

1. Liderança atuante

A liderança tem papel fundamental no engajamento das equipes. Bem como na orientação e controle do processo como um todo. Isso significa que o responsável deve ser um verdadeiro defensor do método. Pontuando suas vantagens e, ainda, motivando os colaboradores a abraçarem a ideia.

2. Conhecimento técnico

Por mais simples que o ciclo de melhoria contínua pareça ser, ele exige conhecimento técnico dos participantes. Afinal, para realizar o planejamento, é preciso ter conhecimento aprofundado sobre o negócio e os processos internos, por exemplo.

Logo, é importante promover aperfeiçoamentos constantes, para que o ciclo PDCA impacte positivamente na empresa.

3. Experiência prática

Ainda que o conhecimento técnico seja importante, é na prática que conseguimos entender, de fato, o funcionamento do ciclo PDCA. Logo, é importante estudar e praticar de forma ininterrupta.

Assim, com a experiência, será possível criar uma cultura de otimização contínua na organização.

É importante reiterar que o ciclo PDCA ajuda no mapeamento e aprimoramento dos processos. Conduzindo, assim, a resultados cada vez melhores e a atividades mais eficientes. Consequentemente, eliminando desperdícios, reduzindo custos e aumentando a produtividade.

Falando nisso, a Checklist Fácil vem ajudando inúmeras empresas a otimizarem o processo de melhoria contínua. Conheça nossa solução e veja como ela pode ajudar no seu dia a dia.

Uma resposta

  1. Bom dia,
    Achei muito interessante o modelo passado para preencimento do PDCA, porém estou tendo dificuldades no preencimento da planilha, pois esta apresentando erro ao digitar, se possivel me enviar por email como devo proceder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Conheça o software Checklist Fácil:

Categorias

Artigos relacionados

Assine nossa newsletter e acesse, em primeira
mão, conteúdos relevantes para o seu negócio.