Não deixe o seu supermercado fechar! Conheça as diretrizes de fiscalização sanitária para combate ao coronavírus

Estar de acordo com a fiscalização sanitária em tempos de COVID-19 pode ser um desafio. Por isso, explicamos a nota técnica da ANVISA Nº 18/2020 sobre Boas Práticas de Fabricação e Manipulação de Alimentos.

ícone autor blogpost Marina ícone data de postagem e atualização15/05/2020 ícone data de postagem e atualização02/10/2020 ícone comentários1 comentários ícone categoria principal Segurança do Trabalho ícone tempo de leitura 6 minutos
Compartilhe este Post  : 

Nós sabemos que não há como fugir das consequências da COVID-19. Porém, algumas ações podem ajudar a diminuir os impactos. A fiscalização sanitária tem um papel muito importante na crise da saúde: evitar que a população se contamine.

No entanto, cumprir as normas da vigilância sanitária também traz efeitos econômicos favoráveis. Basicamente, há três consequências: 

  • mantém os colaboradores seguros e saudáveis;
  • evita multas (gasto desnecessário e imprevisto);
  • impede o fechamento do negócio para descontaminação.

Se você gerencia um supermercado, já sabe que precisa atender às normas de higienização da vigilância sanitária. Certamente, a prevenção é a melhor alternativa – mais segura e mais barata! – para lidar com esse momento de crise. Quer entender como fazer isso? Acompanhe nosso post!

A importância da fiscalização sanitária

O cenário atual torna a fiscalização sanitária ainda mais rígida. A saúde e a segurança das pessoas está em primeiro lugar, afinal, estamos falando de uma doença que pode ser fatal.

Além dessa preocupação, os gestores têm várias outras responsabilidades, em termos de negócio. Não é fácil lidar com a pressão para manter tudo funcionando e o medo da situação econômica acaba afetando o cotidiano da empresa. 

Para resolver isso, as medidas de prevenção são a melhor alternativa. Elas fazem com que o seu supermercado se mantenha aberto e operante. Assim, o fluxo de compras é mantido e a clientela continua abastecida.

As orientações de fiscalização sanitária

No início de abril, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) publicou a Nota Técnica N° 18/2020. Ela fala sobre a COVID-19 e as Boas Práticas de Fabricação e Manipulação de Alimentos.

Além disso, a Vigilância Sanitária dos estados e municípios também estabelecem orientações para o setor alimentício. É extremamente importante verificar essas informações, já que os órgãos locais são responsáveis pela fiscalização sanitária.

Vale destacar que a padronização dos processos é fundamental para que as novas práticas sejam efetivas. Com isso, o registro e o monitoramento das ações agiliza a implementação e a melhoria contínua. 

Uma ferramenta muito eficiente em processos de checagem é o checklist eletrônico. Com a conferência detalhada, nenhum item é esquecido. Além disso, a agilidade na coleta e análise de dados permite identificar as falhas pontualmente. 

Por exemplo, pode-se estabelecer um responsável pela limpeza dos carrinhos a cada uso. Assim, na vistoria de prevenção ao COVID-19, faz-se a conferência de aspectos, como: o colaborador está posicionado na entrada do supermercado?; o produto para higienização é regularizado pela ANVISA?; há controle da chegada e da saída dos carrinhos?; entre outras.

Para te ajudar a cumprir as normas, explicamos, abaixo, as práticas citadas na Nota Técnica Nº18/2020, selecionando os itens que se aplicam aos supermercados. Então, vamos tratar dos tópicos a seguir:

  • Segurança do trabalho;
  • Higienização;
  • Recebimento e transporte de produtos.

Segurança do trabalho e a fiscalização sanitária

A segurança do trabalho é prioridade, principalmente na pandemia. Pensando na proteção do trabalhador e na fiscalização sanitária, dois pontos se destacam: avaliação do estado de saúde e distanciamento físico.

Avaliação do estado de saúde

Para verificar as condições de saúde dos funcionários, é preciso estabelecer alguns procedimentos. Primeiramente, todos os colaboradores devem ser orientados e treinados. Assim, ficam cientes da importância da higienização e do uso de EPIs, dentro e fora da empresa.

Em alguns estados, a medição da temperatura corporal de funcionários e clientes é obrigatória. Inclusive, ela é feita antes de entrar no estabelecimento. Além disso, medidas de higienização – que falaremos adiante – são fundamentais para a prevenção da doença.

Aliás, três situações exigem que o trabalhador seja afastado e cumpra a quarentena indicada. A primeira é quando há suspeita de contaminação, a segunda é ter entrado em contato com alguém já infectado e a terceira é a identificação de sintomas. 

Por isso, a orientação adequada é fundamental. Desse modo, caso esteja em risco, o colaborador se sente amparado para informar aos chefes diretos. Esse tipo de comportamento mantém a saúde e a proteção de toda a empresa. Além disso, o supermercado fica de acordo com a fiscalização sanitária.

Distanciamento físico

Segundo a ANVISA, a distância mínima entre as pessoas deve ser de 1 metro. Por isso, é importante rever a distribuição das estações de trabalho, quando possível. Se houver impedimentos por conta do espaço, as práticas de higiene precisam ser ainda mais frequentes.

Outra alternativa para manter o distanciamento é implementar mais turnos de trabalho com menor número de funcionários em cada um. Assim, o risco de infecção é menor. É importante colocar faixas adesivas no chão, indicando a distância, principalmente, nos caixas.

Alguns estados instituíram a placa de proteção de acrílico, evitando o contato direto do colaborador do cliente. Ainda, implantar o delivery pode ser uma opção para ajudar a manter as vendas para os clientes que não estão saindo de casa. 

Porém, vale destacar que nenhuma ação de afastamento físico elimina a necessidade da higienização adequada das mãos e superfícies.

Higienização de acordo com a fiscalização sanitária

A higienização adequada das mãos, superfícies, equipamentos e utensílios é uma das ações mais eficazes na prevenção ao coronavírus. Portanto, a forma correta de realizar os procedimentos tem que estar clara a todos os funcionários do supermercado. Vamos entender cada um deles?

Higienização das mãos

A higienização das mãos precisa ser frequente para prevenir o contágio ao máximo. Então, antes de realizar qualquer atividade que envolva a manipulação de alimentos, embalagens, equipamentos de proteção individual (EPIs) e produtos de uso coletivo, é necessária a lavagem.

Além disso, depois de qualquer das situações abaixo, a limpeza das mãos deve ser feita imediatamente:

tossir, espirrar ou coçar o rosto; retornar dos intervalos; utilizar o banheiro; encostar em celulares, dinheiro, chaves, lixos e maçanetas; tocar ou coçar olhos, nariz ou boca; preparar alimentos

Para que os trabalhadores possam cumprir o procedimento adequadamente, é preciso fornecer os produtos de higiene regularizados pela ANVISA. A secagem das mãos é realizada com papel não reciclado para diminuir o risco de contaminação.

O álcool gel é complementar à lavagem de mãos. Também pode ser utilizado em momentos em que não é possível fazer a higienização com água e sabão ou sabonete neutro, para maior precaução. 

Higiene do ambiente, equipamentos e utensílios

A rotina de limpeza e desinfecção dos supermercados tem de ser reforçada, principalmente nas áreas em que há o armazenamento e a exposição de alimentos. Inclusive, outros locais como banheiros, copa, vestiários e vias de acesso também devem ter atenção redobrada.

Além de atender às normas de fiscalização sanitária local, outras recomendações que podem ajudar na segurança do trabalho. Por exemplo, utilizar produtos de limpeza adequados para a sua finalidade (chão, superfícies, EPIs) e os detergentes e os desinfetantes precisam ser regularizados pela ANVISA.

A limpeza pode ser feita com detergentes, limpadores multiuso, limpa vidros e álcool comum. Porém, para que haja a desinfecção e a eliminação do risco de contágio, é preciso utilizar solução de hipoclorito a 1%, ou seja, água sanitária diluída conforme recomendação do rótulo. O álcool 70% líquido ou gel também funciona como desinfetante. 

Não esqueça: é muito importante que todos os funcionários saibam como deve ser o processo de higienização. Afinal, a proteção só está garantida se todo mundo cumprir os procedimentos.

Para o monitoramento desses processos, ao utilizar um software de checklist, você consegue adicionar arquivos para comprovar a ação realizada. Anexando comentários, fotos ou vídeos, é possível mostrar os rótulos dos produtos, o estado do ambiente, os EPIs utilizados ou outros dados que a gestão considerar necessária.

Higiene e conduta pessoal

Outra forma de garantir a saúde e a segurança dos colaboradores e, ao mesmo tempo, estar de acordo com a fiscalização sanitária, é manter os uniformes, calçados e EPIs limpos

A lavagem deve ser frequente e o uso exclusivo para o ambiente de trabalho. Assim, a troca de roupas é realizada sempre ao chegar e ao sair do local. Além disso, é preciso retirar todos os objetos como anéis, pulseiras, relógios e afins, pois podem acumular sujeira ou dificultar a higienização completa.

Por fim, o uso de máscaras, toucas, óculos e aventais não substitui a higienização frequente e adequada das mãos, ok? Uma prática complementa a outra!

Recebimento e transporte de produtos em conformidade com a fiscalização sanitária

Para o recebimento de produtos, os cuidados de higienização são redobrados, afinal, embalagens e volumes de diversas origens chegam até o supermercado. Por isso, a orientação é desinfetar tudo o que chega.

Além disso, os funcionários designados para essa tarefa, precisam utilizar os EPIs recomendados e evitar encostar em superfícies, produtos ou pessoas. Inclusive, para o transporte dessas mercadorias, carrinhos de carga, pegadores e volantes também devem ser higienizados adequadamente.

Seu supermercado adequado à fiscalização sanitária

A fiscalização sanitária serve para garantir a saúde e a segurança dos trabalhadores. Neste sentido, todos ganham, não é mesmo? Os colaboradores se mantêm saudáveis e a empresa proporciona um ambiente adequado e seguro para a equipe e para os clientes. 

Você percebeu que a base de todas as orientações é a prevenção, não é mesmo? Higienizar adequadamente e evitar contato são as melhores formas de se livrar do contágio com o vírus e ficar em dia com a fiscalização sanitária. 

Mas, você pode estar se perguntando: 

  • Como eu posso controlar tantos processos? 
  • De que forma eu garanto que eles são realizados? 
  • Como vou saber se tudo isso está funcionando?

Para todas essas questões, temos uma resposta: com a aplicação de checklists! Com o sistema Checklist Fácil, você cria questionários por área, subárea e, até mesmo, unidades, e consegue verificar se todos os procedimentos estabelecidos estão sendo realizados!

Além disso, é possível construir checklists de acordo com as normas da Vigilância Sanitária do seu município, garantindo que você não esqueça de nenhum procedimento. Quando identificar alguma não conformidade, é possível aplicar um plano de ação para resolvê-la o mais rápido possível.

E o melhor de tudo: o auditor pode anexar fotos, vídeos, comentários ou documentos, e você consegue analisar online aquilo que estiver inadequado. Ainda, dá para realizar uma análise geral do funcionamento dos processos por meio de relatórios, facilitando a tomada de decisão para melhorias pontuais e assertivas.

Que tal conhecer um pouco mais do software que pode transformar a eficiência operacional do seu supermercado em tempos de crise? Solicite uma demonstração agora mesmo!

Marina

Posts Relacionados

One Reply to “Não deixe o seu supermercado fechar! Conheça as diretrizes de fiscalização sanitária para combate ao coronavírus”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *