O que é indústria? Entenda a importância desse setor para a economia

Uma indústria é responsável por extrair matéria-prima e produzir todos os insumos que consumimos no dia a dia. Neste conteúdo, você vai saber tudo sobre o setor, incluindo o seu cenário no Brasil. Acompanhe!

Tempo de leitura: 6 minutos
Imagem de uma indústria no Brasil

Uma indústria é o local onde as matérias-primas são extraídas e transformadas nos produtos que consumimos no dia a dia. Nas fábricas, profissionais e máquinas atuam em conjunto. Sendo responsáveis por produzir objetos diversos, alimentos, calçados, roupas, carros, entre outros.

A atividade industrial é considerada essencial para a economia de qualquer país. Afinal, além de gerar empregos, promove transações que impactam diretamente no PIB.

Quer saber mais sobre a indústria, conhecer os principais tipos e, ainda, entender o papel da tecnologia para o seu avanço? Então, continue com a gente. Pois, abordaremos esses e outros tópicos a partir de agora!

Qual o conceito de indústria?

A indústria é uma atividade econômica que surgiu na Primeira Revolução Industrial, entre os séculos XVIII e XIX, na Inglaterra. Um dos seus diferenciais é o fato de utilizar a força humana, máquinas e energia para operar.

Ela abrange uma série de atividades produtivas destinadas a transformar matéria-prima em mercadorias comercializáveis. Assim, de forma geral, é considerada essencial para o desenvolvimento do país. Afinal, é responsável por tudo o que consumimos e utilizamos.

E os números não nos deixam mentir. Atualmente, a indústria representa 21,4% do PIB do Brasil. Além de responder por 69,22% das exportações de bens e serviços e por 69,2% do investimento empresarial em pesquisa e desenvolvimento. E mais: por 33% dos tributos federais – exceto receitas previdenciárias.

Para se ter uma ideia, a cada R$1,00 produzido neste setor, são gerados R$2,40 na economia como um todo. Enquanto que, nos demais setores, o valor não ultrapassa R$1,66.

É importante destacar que a indústria também é conhecida como setor secundário. Sendo que o setor primário é a agricultura, e o terciário, o comércio.

Evolução da indústria no mundo

Não podemos abordar sobre a indústria como a conhecemos hoje sem, antes, resumir a sua evolução ao longo do tempo. Ela pode ser separada em 3 estágios principais:

  1. Artesanato, em que o próprio artesão produz e comercializa seus produtos. Apesar de prevalecer até o século XVII, ainda é algo valorizado localmente;
  2. Manufatura, que caracterizou a fase inicial do capitalismo entre os séculos XVII e XVIII. Nessa segunda fase, surge a divisão de trabalho, em que cada operário passou a ter responsabilidades por uma parte da produção;
  3. Maquinofatura, reflexo da Revolução Industrial. Aqui, as máquinas e demais fontes de energia começam a dividir espaço com as pessoas, fazendo surgir as especializações do trabalho. 

Após esta última fase, as máquinas não deixaram mais o chão de fábrica. Ao contrário! A tecnologia começou a se desenvolver ainda mais, assumindo atividades que, até então, eram realizadas manualmente.

Assim, chegamos à Segunda e à Terceira Revolução Industrial, cujo destaque fica por conta da globalização e o avanço de multinacionais ao redor do mundo.

A evolução, porém, não parou por aí. Hoje, já se fala na Quarta Revolução Industrial, fazendo surgir o conceito de indústria 4.0. Ela se caracteriza por unir 3 fatores à sua linha de produção: progresso tecnológico, digitalização e inovação. Abordaremos mais sobre o tema neste conteúdo.

Qual a importância da indústria?

Quando um país é industrializado, ele tende a ter uma economia mais equilibrada. Isso porque quanto maior é o investimento nessa área, maior será a produção. O que, por sua vez, gera mais empregos e, consequentemente, renda. Incentivando, com isso, o consumo – que faz com que a gente reinicie o ciclo. 

Ou seja, é uma espécie de “bola de neve” positiva, que impacta diretamente no desenvolvimento sócio-econômico.

Além disso, quando a produção interna é alta, as necessidades de consumo são supridas. Reduzindo, assim, as importações e aumentando as exportações.

Portanto, em resumo, temos como as principais vantagens desse segmento:

  • Geração de emprego, melhorando a vida da população;
  • Crescimento da economia como um todo;
  • Aumento do consumo interno;
  • Desenvolvimento tecnológico.

Quais são os principais tipos de indústria?

Geralmente, a classificação deste setor é feita de acordo com a finalidade na instituição. No caso, existem 3 tipos de indústria principais:

1. Indústria de bens de produção (ou de base)

Também conhecida como indústria de base, é composta pelas empresas que atuam na produção de recursos, bens e matérias-primas que serão utilizadas pelas demais indústrias. Estão inseridas aqui as siderúrgicas, que produzem as ligas de ferro para o setor de construção. Bem como mineradoras, madeireiras e petrolíferas.

2. Indústria de bens de capital (ou intermediárias)

Correspondem às empresas que produzem equipamentos, máquinas e ferramentas para as demais indústrias. Um exemplo são as autopeças, que têm como principais clientes as fábricas automobilísticas.

3. Indústria de bens de consumo 

É a categoria mais numerosa, uma vez que é composta pelas organizações que transformam a matéria-prima no produto final. Ou seja, em tudo que chega ao mercado consumidor. A indústria de bens de consumo pode ser dividida em:

  • Bem durável, que fornece produtos não-perecíveis, como eletrodomésticos e automóveis;
  • Semidurável, produzindo, por exemplo, roupas e sapatos;
  • De bens não-duráveis, que envolve itens perecíveis considerados de primeira necessidade. Exemplos: alimentos e medicamentos.

Outrossim, as indústrias podem ser classificadas conforme a atividade que desempenham e o setor em que atuam. Nestes casos, a separação ficaria da seguinte forma:

Tipo de atividade

Setor de atuação

  • Energético;
  • Alimentício;
  • Construção Civil;
  • Bélica;
  • Informacional.

Qual a situação atual da indústria no Brasil?

Durante muito tempo, o Brasil se destacou somente no setor primário. Especialmente no campo agropecuário e extrativista. Entretanto, após crises econômicas consecutivas, passou a se desenvolver tecnologicamente. E, com isso, começou a ocupar um lugar de destaque também no cenário industrial internacional. 

Atualmente, o país se encontra entre os 16 maiores produtores industriais do mundo. Este número foi divulgado em um estudo realizado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). 

Na prática, o que vemos é um forte crescimento e desenvolvimento do setor. Motivado e influenciado especialmente pelo aumento do capital externo.

Essa intensificação fez com que fossem criados parques industriais em cidades-chave. Aproximando marcas de renome com atuações distintas.

Entre os setores de maior destaque no país estão:

Porém, em meio a esse avanço, alguns desafios se tornam ainda mais claros. E é sobre isso que falaremos a seguir!

Principais desafios que a indústria brasileira enfrenta

Não é novidade para ninguém que o Brasil depende economicamente de outros países. No caso, uma grande fatia do faturamento do setor está na exportação.

Junto a isso, o país também fica à mercê das tecnologias produzidas nas nações mais desenvolvidas. Uma vez que o investimento em pesquisa e educação ainda é baixo. E, portanto, a produção na área tecnológica é pequena.

Logo, os desafios da indústria brasileira recaem justamente em buscar alternativas para minimizar essa dependência externa. Ou seja, é preciso desenvolver projetos e planos governamentais que viabilizem a produção científica e tecnológica. Que forneçam uma certa autonomia no setor.

Há, ainda, outro ponto de atenção: a industrialização a qual nos referimos não reflete uma realidade nacional. Isto é, as indústrias não estão dispostas de forma homogênea em todo o território – conforme explicamos abaixo.

Como é a distribuição das indústrias no território brasileiro?

A maior concentração de fábricas está na região sudeste. Estados como São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais detêm os parques industriais mais modernos e diversificados. Onde são encontradas as principais organizações de produção energética, têxtil, alimentícia e automobilística.

A região sul ocupa o segundo lugar. Porém, quem se destaca são as indústrias que manufaturam produtos primários. Em especial os relacionados à agropecuária – que é muito forte nesse local.

Já o norte e o centro-oeste possuem menos expressão no setor industrial. Uma vez que se encontram limitados à agroindústria e ao extrativismo.

Enquanto isso, o nordeste é a região com menos força no que tange à indústria. Isso ocorre porque, durante muito tempo, o seu foco principal foi o turismo. Porém, ele está buscando mudar essa posição. Tanto é que estão sendo construídos pólos dedicados à indústria informacional.

Qual o papel da tecnologia para o avanço do setor?

A tecnologia é altamente benéfica para a competitividade da indústria. Isso porque ela otimiza e padroniza uma série de processos. Além de as tornar mais flexíveis às mudanças do mercado.

Segundo um relatório do Mckinsey Global Institute, 49% das atividades realizadas por seres humanos podem ser automatizadas. Aí você deve estar se perguntando: então significa que as pessoas serão demitidas? Não necessariamente.

Ao invés de realizar as tarefas manuais, o mesmo profissional poderá atuar de forma mais estratégica. Além de se certificar que os processos automatizados estão de acordo com o padrão estabelecido.

Isso irá demandar, porém, algumas especialidades. Ou seja, os colaboradores deverão se capacitar em outras habilidades para lidar com esse avanço.

Logo, podemos dizer que a tecnologia eleva a produtividade nas indústrias. Ao mesmo tempo em que torna o trabalho ainda mais dinâmico.

Além disso, a tecnologia é capaz de reduzir os custos anuais em até 3,6%. Tudo isso graças à automatização gerada pelas ferramentas, que elimina tarefas repetitivas e burocráticas.

Assim, destacamos como principais impactos da tecnologia no setor:

  • Aumento da produtividade;
  • Melhoria na operação;
  • Redução de erros e não conformidades;
  • Padronização de processos;
  • Otimização do tempo;
  • Redução de custos operacionais;
  • Fácil adaptabilidade a mudanças;
  • Maior foco em estratégias e inovação.

Comece a digitalizar a sua indústria!

Existem várias ferramentas que ajudam a otimizar os processos das indústrias. Softwares de gestão, por exemplo, unificam os dados gerenciais. Permitindo entender o cenário como um todo e tomar decisões mais assertivas.

Outra ferramenta que oferece ganhos visíveis é o checklist online. Com ele, você deixa de utilizar papéis e planilhas diversas em inspeções, vistorias e checagens. E mais: as informações coletadas ficam armazenadas em um único local. Evitando perdas, retrabalhos e duplicidades.

Inicie o processo de digitalização da sua indústria com o Checklist Fácil. Utilizando essa solução, você cria checklist para setores e atividades distintas. Podendo agendar a realização e tornar obrigatória a criação de planos de ação em caso de inconformidade.

Não perca mais tempo. Agende uma demonstração gratuita agora mesmo com os nossos especialistas!

Dê um Check na redução de custos na Indústria!

Produtora de Conteúdo em Checklist Fácil
Jornalista e especialista em Comunicação Empresarial, sou apaixonada por marketing, escrever, criar e inovar. Além disso, amo correr, ler, ver filme e curtir uma praia.
Estefânia Martins

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *