Quais são os principais tipos de indústria?

É comum ter dúvidas em relação aos tipos de indústria. Afinal, existem formas distintas de classificação no setor. A boa notícia é que, neste conteúdo, iremos esclarecer esse assunto e, ainda, mostrar o papel da tecnologia para o avanço do setor. Confira!

Tempo de leitura: 6 minutos
Profissionais atuando em um dos tipos de indústria mais comuns

Conhecer os tipos de indústria existentes é uma forma de entender melhor o funcionamento do segmento. E, assim, avaliar qual atividade ou produto está, de fato, se destacando no mercado.

A indústria tem como principal função produzir bens de natureza diversa. Ela pode ser dividida de acordo com a finalidade daquilo que desenvolve ou o perfil de setor no qual se enquadra.

Se você ainda não sabe quais são os tipos de indústria, fique com a gente. Afinal, mostraremos quais são eles e, ainda, abordaremos a importância que a tecnologia tem para o avanço do setor como um todo. Vamos lá!

Quais são os tipos de indústria?

Existe uma primeira classificação que busca agrupar as instituições conforme a sua finalidade. Essa é uma das formas mais comuns de desmembrar o segmento. Uma vez que proporciona análises econômicas e sociais mais precisas.

Neste caso, ela pode ser dividida em 3 tipos de indústria:

1. Indústria de bens de produção

Também conhecia como indústria de base, trata-se de qualquer empresa que se dedica à produção de recursos e matéria-prima que, posteriormente, serão utilizados por outras indústrias. Para que, enfim, sejam transformados nos produtos que chegam ao consumidor final.

Assim sendo, ela se dedica a transformar elementos retirados da natureza. Fazendo com que se tornem um material que poderá se tornar uma manufatura. Logo, podemos dizer que a maioria dos produtos passam por esse tipo de indústria. 

Alguns exemplos que estão inseridos aqui são:

  • Mineradoras;
  • Petrolíferas;
  • Metalúrgicas;
  • Madeireira.

2. Indústria de bens de capital

É composta por empresas que auxiliam as demais a desempenhar suas atividades. Isso porque elas são responsáveis por produzir os maquinários e equipamentos que são utilizados nas fábricas.

Neste caso, podemos incluir as indústrias que criam maquinários agrícolas, como colheitadeiras, plantadeiras e esteiras. Assim como as que produzem ferramentas e peças industriais.

3. Indústria de bens de consumo

É nesse tipo de indústria que a matéria-prima é transformada no produto final que chega ao mercado. Ele também é conhecido como Indústria Leve, uma vez que não produz maquinários e bens tão complexos e específicos.

Ele pode ser classificado de 3 formas, dependendo do que produz:

  1. Indústria de bens duráveis: Inclui produtos não-perecíveis e de longa durabilidade, como eletrodomésticos, móveis e veículos;
  2. Indústria de bens semiduráveis: É uma classificação intermediária, em que os produtos possuem vida útil mediana. Telefone, roupas e sapatos são exemplos;
  3. Indústria de bens não-duráveis: Envolvem os itens perecíveis, considerados de primeira necessidade. Inclui alimentos, bebidas, medicamentos e cosméticos, entre outros.

Outras formas de classificar os tipos de indústrias

Como mencionamos anteriormente, além das modalidades acima, há outras formas de distinguir as fábricas. Isso pode variar de acordo com a atividade que desempenha ou, ainda, o setor em que atua. Veja alguns exemplos a seguir:

1. Tipo de atividade

Indústria extrativa

São as empresas que atuam na extração de recursos naturais. Geralmente, eles são não-renováveis, como é o caso do petróleo e borracha da seringueira.

Esse tipo de indústria se insere na modalidade de bens de produção. Uma vez que capta a matéria-prima que futuramente será transformada em manufatura.

Indústria de transformação

Trata-se da modalidade composta pelas organizações que já estão com a matéria-prima em mãos. Atuando, portanto, para transformá-la em um produto.

Neste caso, estão inseridas as demais atividades, como alimentação, produção têxtil e maquinários.

2. Setor de atuação

Energético

Composto por todas as empresas que atuam na produção de energia ou de combustíveis. Estão aqui, portanto, as petrolíferas e usinas hidrelétricas. Bem como aquelas que desenvolvem energias alternativas e sustentáveis.

Alimentício

Como o próprio nome já diz, são as indústrias que produzem alimentos e bebidas. Esse tipo corresponde a um dos maiores no ramo da industrialização.

Construção civil

Abrange as empresas responsáveis por levantar casas, edifícios e outras construções. Assim como as que atuam na restauração de edificações.

Bélica

Inclui toda a produção de armamento e veículos de uso militar. Além de outras ferramentas que possam ser utilizadas como arma.

Informacional

Por fim, este é conhecido como “fábrica sem chaminés”. Afinal, é composto por empresas que produzem softwares e outros programas. Não correspondendo, porém, a um produto final físico e manipulável.

Por que é importante conhecer os tipos de indústrias?

Entender as formas de classificar uma indústria é especialmente útil no momento de firmar parcerias. Isto é, ao oferecer um serviço para uma empresa, você deve saber em que tipo de ambiente está adentrando. Bem como se os seus serviços, de fato, serão úteis ali.

Imagine que você é especializado em produzir maquinários. Bater na porta de uma indústria informacional irá gerar perda de tempo e energia, concorda? O mesmo se aplica se o seu foco é na extração de bens naturais.

Essa mesma lógica se aplica a colaboradores novos. Quem atua ativamente na preservação do meio ambiente terá grandes dificuldades em uma indústria de bens de produção ou, especificamente, de extração.

Logo, esse tipo de conhecimento ajuda a direcionar a atuação, evitando procurar um segmento que não condiz com a sua realidade.

Também é importante entender os tipos de indústria quando se pensa em números e indicadores. No caso, os órgãos analisam eles de forma individualizada. Visando, assim, entender o cenário de forma clara. Direcionando melhor seus esforços, especialmente no que tange a investimentos e apoios governamentais.

Qual o papel da indústria no Brasil?

A indústria é essencial quando se pensa em desenvolvimento econômico e social do Brasil. Para se ter uma ideia, ela responde por 21,6% do PIB do país. E mais: por 70,8% das exportações de bens e serviços e 67,4% da pesquisa e desenvolvimento do setor privado.

Porém, não para por aí. Ela emprega cerca de 9,4 milhões de brasileiros formalmente. O que representa 20,3% dos empregos formais no país. Além disso, é o setor que paga os maiores salários. Um trabalhador com ensino médio, por exemplo, ganha na faixa dos R$ 2.073,00.

Assim sendo, podemos destacar que a indústria:

  • Gera empregos;
  • Ajuda no crescimento da economia;
  • Melhora o padrão de vida das pessoa;
  • Otimiza o desenvolvimento de tecnologias e inovação;
  • Amplia a exportação, tornando o país mais conhecido;
  • Ajuda a reduzir as desigualdades regionais.

Benefícios que a tecnologia oferece nos diferentes tipos de indústria

Não é novidade que a tecnologia modificou diversos processos e atividades no dia a dia. Ela impactou, por exemplo, na forma de se comunicar, relacionar e até mesmo trabalhar. Agora, imagine o reflexo gerado em grandes empresas, que lidam com uma série de processos que precisam ser seguidos à risca.

O fato é que a digitalização da indústria otimiza os procedimentos como um todo. Gerando automatização e, com isso, elevando a produtividade das equipes. Logo, a produção se torna mais inteligente, uma vez que os esforços são direcionados de forma adequada.

Assim, podemos destacar como principais benefícios que a tecnologia oferece:

Maior agilidade, produtividade e eficiência nos processos

Ao implementar a tecnologia nos processos de manufatura, você substitui tarefas manuais que demandam tempo dos seus profissionais. Além disso, consegue gerenciar melhor a divisão de trabalho. Logo, aumenta o desempenho como um todo, sem afetar na qualidade final.

Quer um exemplo de ferramenta? Um checklist online reduz aquele monte de papel e planilha utilizados em checagens, inspeções e auditorias. Assim, não é preciso destinar um único profissional para realizar o armazenamento e análise dos dados coletados. 

Afinal, a tecnologia registra tudo automaticamente. Gerando, inclusive, relatórios e gráficos comparativos.

Redução de custos

A tecnologia está se tornando cada vez mais acessível. Afinal, há diversas opções disponíveis no mercado. E mais: mesmo nos casos em que o investimento inicial é um pouco maior, ainda assim manter-se em processos antigos é visivelmente mais caro.

Assim sendo, a médio e longo prazo, a tecnologia influencia diretamente na redução de custos. Seguindo o nosso exemplo acima, você sabia que 3% do lucro de uma empresa é gasto em papel? E mais: que ele representa 50% do desperdício das empresas?

Essa pesquisa foi feita pela Gartner Inc. e deixa claro o quanto a tecnologia pode, de fato, influenciar positivamente até em âmbito financeiro.

Gestão otimizada

Embora seja possível ver mais claramente os benefícios da tecnologia quando pensamos na operação, eles também são grandes nos “bastidores”. Ou seja, no gerenciamento do negócio.

Um sistema de gestão integrado centraliza todas as informações administrativas, por exemplo. Permitindo, assim, um controle maior dos processos como um todo. Além disso, fornece relatórios e análises precisos. Essenciais para uma tomada de decisão efetiva, bem como para prever tendências de mercado.

Outrossim, com a tecnologia certa, é possível automatizar uma série de tarefas, levando a redução de tempo e custos. Esse é o caso do app de checklist mobile. Ele permite realizar checagens em veículos ou qualquer ambiente externo. Sem a necessidade de repassar os dados coletados para um computador, posteriormente. 

A solução da Checklist Fácil, inclusive, não requer conexão com a internet. Basta sincronizar as informações quando estiver online, que ficarão à disposição dos responsáveis. 

Acompanhamento das inovações

Por fim, a tecnologia é essencial em todos os tipos de indústria porque faz com que a empresa passe a adotar as melhores práticas do mercado. Ou seja, acompanhando as inovações, ela consegue otimizar seus processos e a sua rotina como um todo.

Além disso, ela começa a se adequar ao conceito de indústria 4.0, que aborda o uso de:

  • Inteligência Artificial;
  • Big Data;
  • Computador em nuvem;
  • Impressão 3D; 
  • E muito mais!

Se você deseja aumentar a sua eficiência e se adequar ao novo cenário de inovação, você precisa conhecer o Checklist Fácil. Assista o vídeo abaixo:

Agora, que tal ver na prática como o nosso sistema pode ajudar no dia a dia de todos os tipos de indústria? Agende uma demonstração gratuita agora mesmo!

Jornalista e especialista em Comunicação Empresarial. Sou apaixonada por marketing, escrever, criar e inovar - inclusive nas horas vagas.
Estefânia Martins

Posts Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *