Como se adequar às normas da vigilância sanitária?

Adequar-se às normas da vigilância sanitária é o primeiro passo para quem deseja obter sucesso no seu negócio. Afinal, além de evitar multas, previne danos à saúde do consumidor. Veja o que você precisa mudar ou melhorar neste conteúdo!

Tempo de leitura: 3 minutos
Colaboradora conferindo as normas da vigilância sanitária

Estar por dentro das normas da vigilância sanitária é um pré-requisito para o funcionamento legal de empresa do ramo de alimentação. Isso porque tais normas apresentam os cuidados que devem ser tomados no ambiente de trabalho. Garantindo, com isso, que ele tenha condições adequadas de qualidade e higiene.

Quem estabelece as boas práticas que devem ser seguidas no Brasil é a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Suas resoluções tratam, por exemplo, da higienização das instalações, equipamentos e utensílios. Também abordam o preparo, acondicionamento, armazenamento, transporte e exposição dos produtos nos estabelecimentos comerciais.

Se você deseja se adequar às normas da vigilância sanitária e, assim, eliminar ou prevenir que práticas danosas possam colocar em risco a saúde das pessoas, continue a leitura. Afinal, mostraremos os principais pontos que devem ser melhorados ou ajustados no seu negócio. Vamos lá!

6 passos para se ajustar às normas da vigilância sanitária

Ter um negócio implica em identificar todos os possíveis cenários que possam representar riscos de insucesso. Uma forma de realizar isso é justamente se adequando às normas da vigilância sanitária. 

Mais do que regras, elas consistem em boas práticas que favorecem a higiene do ambiente de trabalho. Logo, são pensadas de forma a garantir que a saúde das pessoas não serão afetadas de alguma forma.

Mas como se ajustar às normas da vigilância sanitária? Veja a seguir!

1. Mantenha o local de trabalho limpo e organizado

Um dos requisitos básicos para deixar o ambiente dentro das normas da Anvisa é mantê-lo limpo e organizado. Ele deve contar com boa iluminação e ventilação, pois isso favorece à manutenção da higiene local.

O estabelecimento deve possuir, ainda, rede de esgoto ou fossa séptica, eliminando qualquer outro tipo de descarte. Além disso, as caixas de gordura e esgoto devem estar longe do local de preparo dos alimentos, para que não ocorram contaminações.

As mesas e bancadas também devem estar em boas condições, enquanto as lâmpadas devem ser protegidas contra quebras.

2. Nunca guarde produtos de limpeza junto aos alimentos

Os alimentos devem ser mantidos isolados de todo e qualquer produto de limpeza, como:

  • Água sanitária;
  • Detergente;
  • Desinfetantes;
  • Sabão.

Isso porque, se consumidos, eles podem causar sérias complicações à saúde. 

Além disso, os estabelecimentos são obrigados a utilizar produtos de limpeza regularizados junto à Anvisa. E mais: no caso de aplicação de venenos, isso deve ser realizado por uma empresa especializada no assunto.

3. Tome cuidado com a água

A água utilizada no estabelecimento deve ser corrente e tratada. No caso de utilizar poços artesianos, ela deve ser analisada a cada seis meses, para certificar-se de que não está contaminada. 

A caixa d’água também precisa estar em boas condições. Ou seja, deve estar tampada, sem qualquer tipo de rachaduras, vazamentos, infiltrações e descascamentos.

Desta forma, evita-se a entrada de animais e outros potenciais materiais contaminantes. Além disso, ela deve ser lavada e higienizada a cada seis meses.

4. Mantenha os alimentos perecíveis sob refrigeração

Alimentos perecíveis são facilmente degradáveis. Sem falar que condições inapropriadas de armazenamento podem acelerar a proliferação de microrganismos.

Por isso, esse tipo de alimento deve ser mantido sob refrigeração de 5ºC. Enquanto alimentos cozidos quentes, a temperatura recomendável é acima de 60ºC.

Fique atento: ao comprar alimentos perecíveis para estocagem, controle o tempo entre a aquisição e o armazenamento dos produtos, para que eles não fiquem fora da refrigeração por mais de duas horas.

5. Zele pela higiene dos seus funcionários

Os funcionários devem estar sempre limpos, com cabelos presos e cobertos com redes ou toucas. O uniforme deve ser utilizado apenas na área de preparo dos alimentos e a troca deve ser feita diariamente, de forma a mantê-lo limpo e conservado. 

Acessórios como brincos, pulseiras, anéis e relógios, além de maquiagem, são proibidos na área de manipulação. Outro cuidado que deve-se ter é em relação às unhas. Elas devem ser mantidas curtas e sem esmalte, enquanto as mãos devem ser sempre higienizadas antes de preparar os alimentos.

Os colaboradores também devem evitar manipular alimentos quando estão doentes ou com cortes e ferimentos. Afinal, determinadas doenças podem ser transmitidas através da comida. Inclusive, esse é um dos motivos do pelo qual as empresa devem manter em dia os exames de saúde de seus funcionários.


    6. Crie procedimentos para automatizar a rotina

    Manter o controle de todas as normas sanitárias manualmente acaba sendo complicado e desgastante para empresas que mantêm um fluxo contínuo de tarefas e vários funcionários. 

    Em contrapartida, com um software para aplicação de checklists para segurança de alimentos que seja customizável, essa atividade se torna mais rápida e segura. Afinal, torna possível ter controle de todos os itens que devem ser cumpridos para atender as recomendações da vigilância sanitária para cada setor.

    Além disso, trabalhando de forma automatizada, evita-se que erros ou esquecimentos possam vir a comprometer a qualidade dos produtos oferecidos e a saúde dos consumidores.

    Quer se aprofundar ainda mais sobre o assunto? Baixe agora mesmo o nosso Guia completo para entender a legislação da Anvisa no mercado alimentício. É gratuito! Basta clicar aqui!

    Luciana Silva

    Posts Relacionados

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *