Entenda o que são inspeções de segurança e os principais tipos

As inspeções de segurança ajudam a detectar situações de risco. Com isso, previvem acidentes que podem prejudicar na saúde do colaborador. Conheça os principais tipos de inspeções!
Atualizado em: 11 de abril de 2024
Tempo de leitura: 8 minutos

As inspeções de segurança são procedimentos realizados com o intuito de detectar riscos e situações perigosas e, a partir disso, adotar medidas preventivas e corretivas para evitar eventos indesejados.

Acidentes de trabalho e doenças ocupacionais podem ocorrer por diversos fatores que, na maioria das vezes, poderiam ser facilmente evitados. Portanto, é fundamental saber identificar e analisar riscos que possam provocá-los e, assim, tomar as medidas de prevenção e correção cabíveis.

Nesse cenário, o que são as inspeções de segurança e quais os principais tipos? E mais: por que a tecnologia é tão importante para a sua realização eficaz? Continue a leitura e descubra!

O que são inspeções de segurança?

Inspeção de segurança é um procedimento de vistoria técnica para detecção e avaliação de riscos de acidentes de trabalho e fatores causadores de doenças ocupacionais.

Seu objetivo é implementar intervenções precoces, ou seja, corrigir o que está fora dos padrões de segurança e aplicar medidas preventivas. Com isso, as inspeções de segurança e saúde do trabalho visam evitar ocorrências potencialmente lesivas para a vida ou a integridade física de todos os funcionários da empresa. 

Elas também têm a finalidade de verificar se a política de segurança laboral está sendo realmente posta em prática. Assim, certifica-se que a empresa está em conformidade com a legislação trabalhista e evitando multas e notificações. 

Além disso, as inspeções de segurança são uma medida de cuidado com quem ajuda a construir e manter a empresa, prevenindo, desta forma, o seu adoecimento por fatores facilmente evitáveis com medidas de segurança.

Quais são os tipos de inspeções de segurança?

Ao identificar fatores que possam causar acidentes, é possível tomar providências imediatas que eliminem riscos inerentes nas áreas de trabalho.

Vejamos os principais tipos de inspeções que podem ser feitas para essa finalidade.

1. O que são inspeções gerais?

São aquelas realizadas em toda a empresa, ou seja, que envolvem todos os setores. Em geral, costumam participam desse tipo de verificação:

As inspeções de segurança gerais devem ser repetidas em intervalos regulares. Em empresas que não contam com uma equipe de SESMT, o cumprimento deve partir dos integrantes da CIPA.

2. O que são inspeções de rotina?

As inspeções de rotina são aquelas realizadas frequentemente dentro da empresa. Assim, os responsáveis pela vistoria averiguam se existem problemas ou erros comuns em questões do cotidiano, como: 

  • Atividades laborais;
  • Equipamentos;
  • Processos;
  • Métodos de trabalho;
  • Fatores ambientais.

Essas inspeções de segurança permitem identificar defeitos em equipamentos, atitudes dos funcionários diante das situações de trabalho, uso de EPIs, entre outros.

Em geral, é o tipo mais comum e que deve obrigatoriamente ser adotado no dia a dia de todos os trabalhadores da área de segurança e saúde do trabalho.

LEIA MAIS | 5 benefícios de fazer checklist de EPI e motivos para utilizar o Checklist Fácil

3. O que é inspeção oficial?

É o tipo de inspeção realizado por um órgão externo, seja governamental ou privado. No primeiro caso, busca-se verificar a conformidade com a legislação trabalhista. Enquanto o segundo, pode ser executado por empresas de seguros no momento de verificar um sinistro.

Prevendo essa verificação, as empresas devem contar com uma política de segurança contendo vários procedimentos periódicos. Eles devem ser baseados nas leis, portarias e Normas Regulamentadoras do trabalho. Ademais, é preciso aplicar bem os termos do seguro para evitar descumprir alguma cláusula. 

4. O que são inspeções periódicas?

São aquelas realizadas em determinados períodos de tempo. Elas servem para detectar condições inseguras, que naturalmente surgem pelo desgaste de peças, uso de ferramentas, depreciação de máquinas e equipamentos.

Vale destacar que algumas inspeções são obrigatórias por lei, como aquelas referentes a equipamentos perigosos, como caldeiras, e ítens de segurança, como extintores.

5. O que são inspeções especiais?

As inspeções de segurança especiais ajudam a identificar riscos presumíveis. Ou seja: riscos que necessitam de profissionais especializados para realizar medições e testes em aparelhos. Nelas, podem ser detectadas situações anormais de trabalho e que apresentem risco à saúde e segurança.

Em geral, é uma verificação mais técnica e minuciosa. Por isso a necessidade de utilizar equipamentos e aparelhos especializados. Pode-se citar como exemplos das inspeções especiais a medição do ruído ambiental e quantidade de partículas tóxicas em suspensão no ar.

6. O que é inspeção parcial?

Uma inspeção parcial é aquela que se concentra somente em uma parte específica de um ambiente, equipamento ou processo. Isso faz com que a análise seja mais minuciosa, detalhada e até mesmo frequente, pois costuma ser mais rápida. Afinal, é direcionada para identificar e corrigir problemas específicos.

7. O que são inspeções eventuais?

Inspeções eventuais são o oposto das inspeções de rotina, pois acontecem apenas em circunstâncias específicas, normalmente como resposta a algum tipo de evento imprevisto.

A melhor forma de controlar cada etapa das inspeções de segurança é por meio de um checklist. Isso porque, programando as atividades de vistorias, é possível identificar de forma precoce as não conformidades que possam representar riscos à saúde e segurança do trabalhador.

BAIXE GRATUITAMENTE | Kit estratégico para Segurança do Trabalho: reduza os acidentes e doenças ocupacionais!

Quem realiza as inspeções de segurança?

A inspeção de segurança é um processo extremamente técnico, que demanda um olhar apurado e um conhecimento específico.

Por isso, o ideal é que seja realizada por profissionais dedicados à segurança do trabalho como técnicos de segurança, engenheiros de segurança ou especialistas em saúde ocupacional. Esses profissionais podem ser funcionários contratados ou especialistas externos, como consultores ou agências.

Em muitas empresas, a Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA) também acompanha o processo de inspeção.

Qual a importância das inspeções de segurança em máquinas e equipamentos?

Como explicamos, são as inspeções que ajudam a manter um fluxo de trabalho seguro nas indústrias. Afinal, permitem a identificação precoce de problemas e a adoção de medidas de redução de riscos. 

Mas os benefícios não param por aí, conforme mostraremos a seguir!

Garantir uma operação segura e eficiente

Apesar de serem bens duráveis, as máquinas sofrem um processo gradual de deterioração. Portanto, precisam de uma investigação de segurança contínua. Afinal, o erro em uma peça pode comprometer a integridade física dos funcionários. 

No entanto, não adianta fazer uma avaliação pontual quando alguém suspeita de um problema. O trabalho deve ser preventivo e proativo.

Essa medida também beneficia os próprios resultados da empresa, pois um equipamento funcionando aquém da capacidade pode ser menos produtivo ou ter uma taxa de erros maior.

Identificar os riscos que podem se transformar em acidente

A utilização dos EPIs é imprescindível para evitar acidentes. No entanto, se mal usados ou desgastados, esses equipamentos podem causar sérios dados.

Por isso, deve-se manter um protocolo de inspeção da qualidade dos EPIs. Afinal, um simples detalhe ignorado pode se transformar em uma tragédia. 

Então, a empresa deve ter processos sistematizados com um passo a passo para a verificação de cada item, para que os colaboradores nunca se esqueçam de nada.

Como fazer uma inspeção de segurança?

Agora que você sabe o que é uma inspeção de segurança, quais os principais tipos e sua importância na área de SST, chegou a hora de realizar sua inspeção! Para tanto, siga os passos abaixo:

1. Inicie o planejamento

Antes de tudo, defina o objetivo da inspeção, identificando qual objeto, ambiente ou processo será inspecionado. Então, comunique a equipe responsável pela segurança e agende uma data e hora para a realização. Busque um momento que não imp-acte a operação, mas que permita uma avaliação realista.

2. Colete informações anteriores

Antes da identificação dos riscos propriamente dita, uma boa prática é revisar documentações e registros de segurança anteriores. Assim, você estará ciente de acidentes passados e procedimentos antigos, por exemplo, que podem ser úteis para sua inspeção.

3. Observe e analise os riscos

Chegou o momento mais importante da sua inspeção. Observe todas as condições do ambiente, a realização das atividades, os procedimentos padrão, as ferramentas e EPIs utilizados, e qualquer outro detalhe importante na operação.

    Então, identifique todos os riscos possíveis, como condições adversas, equipamentos danificados, EPIs utilizados de forma incorreta, falta de sinalização ou práticas inseguras. O uso de formulários e checklists digitais é essencial nessa identificação!

    Então, classifique esses riscos de acordo com sua gravidade e probabilidade de ocorrência. Nesse momento, uma matriz de risco é um recurso interessante.

    LEIA MAIS | Análise Preliminar de Riscos: o que é e como fazer a sua

    4. Crie medidas corretivas

    Após a inspeção, elabore um relatório com os resultados encontrados e compartilhe os resultados com os envolvidos. Então, é necessário desenvolver um plano de ação para corrigir as situações adversas observadas, mitigando os riscos. Saiba mais sobre isso no tópico a seguir!

    BAIXE GRÁTIS | Modelo de Relatório para Não Conformidade

    Como fazer um relatório de inspeção de segurança?

    Como mencionamos anteriormente, após a inspeção de segurança, é necessário criar um relatório com os resultados apresentados. Para facilitar o desenvolvimento do seu relatório, listamos a seguir os principais pontos que devem ser abordados no documento:

    • Data, hora e local da inspeção;
    • Nomes dos membros da equipe de inspeção;
    • Propósito e objetivo da inspeção;
    • Resumo do contexto, histórico ou outras informações relevantes;
    • Metodologia utilizada e critérios de avaliação;
    • Resumo da infraestrutura e condições de trabalho encontradas;
    • Detalhamento dos riscos identificados, agrupados por categoria;
    • Lista dos riscos classificados por gravidade e probabilidade;
    • Medidas corretivas para cada problema;
    • Plano de ação para implementação das correções.

    LEIA MAIS | Como elaborar um relatório de inspeção eficiente?

    Qual a melhor ferramenta para fazer inspeções de segurança?

    Como você já percebeu, as inspeções de segurança são processos que demandam muita atenção e organização. Por isso, é necessário utilizar algum tipo de ferramenta para reunir as informações. Nossa sugestão são as fichas de inspeção, que podem ser preenchidas de forma manual ou digital:

    Ficha de inspeção impressa

    A ficha impressa é o modelo mais tradicional, preenchido manualmente durante a inspeção usando papel, caneta e prancheta. Muitos profissionaos estão acostumados com essa opção e gostam pela sua facilidade e simplicidade. Além disso, não exige nenhum tipo de tecnologia ou conexão com a internet.

    Entretanto, a ficha impressa é extremamente limitada. As informações podem ser facilmente perdidas, rasuradas, danificadas e até mesmo adulteradas. O armazenamento e a organização dos dados de inspeção são mais difíceis no papel, e todo esse processo é mais custoso, pois exige reimpressão e redistribuição das fichas.

    Ficha de inspeção digital

    A ficha digital é uma versão mais moderna, preenchida e armazenada digitalmente. Ao contrário do modelo impresso, essa opção traz uma série de benefícios. Um deles é a acessibilidade, pois os inspetores podem acessar a qualquer hora e lugar (incluindo em locais sem internet, no caso do Checklist Fácil).

    Esse modelo é facilmente personalizável e adaptável, garantindo que as inspeções estejam sempre alinhadas com as práticas mais recentes. Além disso, todas as informações são armazenadas na nuvem seguindo todos os protocolos de segurança digital, assim, nenhum dado é perdido ou adulterado. Essa centralização também possibilita a geração de relatórios para acompanhar os resultados das inspeções, identificando pontos de melhoria.

    O preenchimento é muito simples e pode incluir fotos e vídeos, tornando as inspeções ainda mais completas e confiáveis. Aproveite e utilize a tecnologia a seu favor!

      Como a tecnologia pode ser uma aliada nas inspeções de segurança?

      A tecnologia pode facilitar e agilizar a realização de uma série de processos empresariais. E com as inspeções de segurança não seria diferente. Confira alguns fatores em que ela pode ser útil:

      Criação de rotinas de checagem de segurança

      Como dissemos, a inspeção deve ser uma verdadeira rotina. Ou seja, deve possuir ações programadas previamente e processos bem delineados. Há alguns softwares no mercado que ajudam a programar essas revisões, enviando lembretes a todos os responsáveis para a realização delas.

      Um tecnologia bem interessante são os checklists digitais disponíveis tanto na versão web quanto mobile. Neles, é possível detalhar todas as etapas de cada inspeção.

      Além disso, à medida que conclui cada ação, o colaborador deve fazer o check-in da tarefa. Essa informação evita esquecimentos – que são muito comuns.

      Garantia de manutenções periódicas

      Além das inspeções internas, no caso de máquinas, é importantíssimo fazer manutenções periódicas com empresas especializadas. Isso porque elas trocam e calibram as peças problemáticas, assim como fazem uma análise do desgaste dos materiais.

      Cada equipamento tem uma demanda específica de periodicidade de avaliação. Alguns precisam ser checados mensalmente, outros anualmente e assim por diante. Como são muitas datas, o gestor deve contar com uma ferramenta que permita programar as manutenções, avisando previamente quando elas estiverem próximas.

      Facilidade nos processos de auditoria

      A auditoria é o processo de fiscalização que os gestores fazem sobre o trabalho dos colaboradores. Com uma ferramenta de checklist, estes são obrigados a registrar a execução de cada tarefa. Essa informação é compartilhada com o gestor, que pode verificar a sua realização efetiva.

      Além disso, durante auditorias externas, mostrar para a equipe de avaliação que a empresa conta com uma ferramenta de sistematização e checagem de processos gera uma impressão muito boa. 

      Isso mostra um comprometimento com a segurança, qualidade e com a padronização — o que pode levar a notas promissoras em certificações nacionais e internacionais.

      Portanto, com um checklist digital é possível elaborar um cronograma de cumprimento do que precisa ser feito — no dia e na hora certos ― e evitar esquecimentos e aborrecimentos.

      Desta forma, essa ferramenta otimiza a rotina dentro da empresa e eleva a segurança, colocando em prática medidas de correção e neutralização dos riscos.

      Que tal fazer como Unilever, Renault e Grupo Big e várias outras empresas que já utilizam a solução Checklist Fácil para fazer essa gestão? Peça já uma demonstração!

      Deixe um comentário

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

      Ideal para o seu negócio!

      Categorias

      Assine nossa newsletter e acesse, em primeira
      mão, conteúdos relevantes para o seu negócio.

      25 de Abril | 16h | ao vivo

      Boas Práticas
      de SST:

      Como zerar acidentes e criar processos eficientes de segurança