O que é APR e por que ela é importante para as empresas?

A APR, que significa Análise Preliminar de Riscos, é uma técnica que visa prever riscos e, assim, prevenir acidentes de trabalho. Quer sabe como usá-la, na prática, e os benefícios que oferece para a empresa e seus colaboradores? Continue com a gente e descubra!

Tempo de leitura: 4 minutos
Técnica em Segurança do Trabalho fazendo a APR

A sigla APR significa Análise Preliminar de Riscos. Ela consiste em um estudo prévio e detalhado da atividade que se deseja realizar. Visando, assim, prever possíveis riscos e evitar acidentes ocupacionais.

Essa análise deve ser realizada antes de iniciar qualquer nova tarefa. Assim, com os riscos já conhecidos, é possível adotar medidas de segurança para evitá-los de forma eficiente.

Se você tem dúvidas sobre a APR, continue com a gente. Isso porque preparamos um conteúdo que irá esclarecer os principais pontos sobre ela, incluindo como colocá-la em prática. Vamos lá!

Afinal, o que é APR?

APR é uma técnicas de avaliação dos riscos que podem ocorrer em uma determinada atividade. Essa análise é realizada em cada uma das suas etapas, uma vez que os acidentes podem ocorrer em apenas um processo específico.

O objetivo principal da Análise Preliminar de Riscos é permitir a adoção de medidas prévias que controlem, neutralizem ou atenuem os riscos iminentes ao processo. Ela também é uma garantia legal para a empresa, pois aborda questões de segurança que a lei exige.

Ela pode ser assinada e emitida por qualquer profissional, desde que ele tenha conhecimento em Segurança do Trabalho. É importante, outrossim, que todos os colaboradores envolvidos na atividade também a assinem. Isso comprova que foram informados dos riscos e das medidas preventivas.

Para que serve a Análise Preliminar de Riscos?

A ferramenta serve principalmente para prevenir acidentes de trabalho. Afinal, como envolve uma análise minuciosa prévia, é possível adotar medidas que permitem reduzir as ocorrências. Resguardando, assim, a vida dos colaboradores.

A APR também é utilizada para atender as obrigações legais de Segurança do Trabalho. Ou seja, o documento faz com que a empresa esteja de acordo com o que a legislação exige.

Além disso, a Análise Preliminar de Riscos pode ser usada para avaliar o retorno dos investimentos realizados em segurança. Auxiliando, inclusive, a obter informações quanto a qualidade das medidas preventivas e protetivas adotadas pelos profissionais competentes no dia a dia. 

Como fazer a APR?

A primeira coisa que você precisa saber é que a APR apenas será válida, de fato, se contar com a participação de todos os colaboradores envolvidos na atividade. Somente assim será possível obter as informações necessárias para compreender os riscos envolvidos.

Após, as principais etapas que devem ser realizadas são:

1. Coleta de informações

Dificilmente você conseguirá fazer uma Análise Preliminar de Riscos se não tiver embasamento, ou seja, dados reais. Isso porque são eles que irão nortear as ações preventivas.

É preciso coletar informações como possíveis perigos iminentes à atividade, bem como listar os riscos em cada etapa. Aqui, você deve especificar também os responsáveis por cada tarefa e os equipamentos utilizados, incluindo os EPI’s obrigatórios.

Tudo que for obtido nesse levantamento deve ser registrado em um documento, cujo conteúdo poderá ser aprimorado sempre que necessário. 

2. Identificação das causas e vulnerabilidades

Junto com a análise dos riscos, é essencial detalhar as potenciais causas. Também é importante ter ciência dos seus efeitos, com suas respectivas gravidades.

Vamos supor que um profissional corre o risco de sofrer queimaduras ao utilizar determinado equipamento. Algumas perguntas que devem ser esclarecidas são:

  • É o equipamento em si que pode causar esse dano ou a forma com que ele é utilizado?
  • Quais as probabilidades de o problema ocorrer?
  • É possível prever a gravidade da queimadura, caso nenhuma medida seja adotada?

Todas essas questões devem ser analisadas na prática, detalhando as pessoas e os bens expostos a essa ameaça. 

Afinal, são essas informações que ajudarão a direcionar os profissionais de Segurança do Trabalho não apenas para criarem o documento de APR. Mas principalmente para adotarem medidas eficazes que resguardem a vida e o patrimônio.

3. Planejamento das ações de segurança

Após a descrição dos riscos, causas e feitos, é hora de fazer a APR propriamente dita. Ou seja: de planejar as ações que devem ser adotadas para lidar com os problemas encontrados, bem como corrigí-los.

Nesta etapa, é essencial delimitar regras, normas e boas práticas, de forma a garantir a segurança dos colaboradores. Tudo isso deve ficar registrado em um documento oficial, assinado pelos envolvidos e de conhecimento da empresa.

Além disso, essas medidas devem ser reforçadas entre as demais equipes, através de treinamentos e capacitações.

4. Atualização constante

A Análise Preliminar de Riscos não é um documento estático. Ao contrário! Ela deve ser revisada regularmente, uma vez que novos riscos podem surgir, exigindo novas medidas para contorná-los.

Logo, é importante que os responsáveis estejam sempre revisando o conteúdo, bem como avaliando de perto a realização das atividades. Assim, eles conseguem agir sempre de forma proativa, ou seja, antes que os colaboradores sejam afetados de alguma forma.

Apesar dessas etapas serem consideradas essenciais, não há uma estrutura única de APR. Ela varia de acordo com a empresa, seu segmento e processos que adota no dia a dia.

Entretanto, para todos os casos, uma dica é utilizar uma plataforma de checklists, especialmente na etapa de análise. Isso porque eles facilitam a organização e o registro das informações. 

Principais benefícios da Análise Preliminar de Riscos

Você entendeu o que é APR e como criar um na sua empresa, mas ainda tem dúvidas sobre a sua real importância? Selecionamos os principais benefícios para você:

Revisão de riscos e ameaças

A APR ajuda a determinar os riscos e desafios que podem acometer o ambiente e a atividade desempenhada. Com isso, permite resguardar a vida dos profissionais, bem como a infraestrutura da empresa em si.

Antecipação de problemas

Além de identificar riscos em potencial, a ferramenta ajuda a prevenir danos aos equipamentos, perda de materiais e paralisação das atividades, entre outros. Evitando, assim, gastos com manutenção ou trabalho excedente, por exemplo.

Definição de responsabilidades

Durante o planejamento da Análise Preliminar de Riscos, é preciso designar os responsáveis pela implantação e controle das ações. Isso amplia o engajamento dos colaboradores. Afinal, a segurança no trabalho deixa de ser tarefa unicamente do especialista da área.

Padronização dos métodos

O documento com as diretrizes da APR apenas é criado após análise aprofundada das atividades e suas etapas. Logo, permite criar padrões a serem seguidos quando novas tarefas iniciarem. Sendo possível, é claro, adicionar especificações – quando necessário.

Agora que você sabe tudo sobre Análise Preliminar de Riscos, que tal incorporá-la ao processo da sua empresa? O Checklist Fácil pode lhe ajudar. Com essa solução, você customiza os checklists de acordo com a sua necessidade, agenda a realização de vistorias e muito mais.

Solicite uma demonstração gratuita agora mesmo!

Produtora de Conteúdo em Checklist Fácil
Jornalista e especialista em Comunicação Empresarial, sou apaixonada por marketing, escrever, criar e inovar. Além disso, amo correr, ler, ver filme e curtir uma praia.
Estefânia Martins

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *