Segurança alimentar: o que é, principais desafios e o papel das empresas

A segurança alimentar é uma das mais importantes questões nos dias atuais. Por isso, a busca por soluções para essa temática vai muito além das políticas públicas. Veja o papel que a sua empresa também desempenha!

Tempo de leitura: 5 minutos
Produtor rural atuando na segurança alimentar

Garantir segurança alimentar para todos é um dos principais desafios globais hoje. Inclusive, a questão faz parte dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU. Assim, o mundo trabalha para encontrar soluções até 2030.

Esse conceito está diretamente ligado às políticas públicas. Entretanto, toda a sociedade pode desempenhar um papel para garantir a segurança alimentar — especialmente empresas e Organizações Não-Governamentais. 

Quer entender os principais desafios da segurança alimentar e o papel dos negócios nessa questão? Acompanhe a leitura que vamos explicar justamente essa temática.

O que é segurança alimentar?

A segurança alimentar consiste em um conjunto de ações que visam fornecer meios para garantir o acesso de todos à alimentação saudável. Ou seja, não basta apenas garantir que as pessoas tenham o que comer. Precisam ser alimentos que tragam valor nutritivo e supram as necessidades básicas.

Esse conceito passou a ganhar força no contexto internacional no século XX — após as duas Guerras Mundiais. Nesse cenário, houve grande preocupação com os impactos na alimentação dos países mais atingidos.

No entanto, a segurança alimentar foi se atualizando e se adaptando às realidades globais. Hoje, é muito comum que ela se relacione com a capacidade de um país ou comunidade produzir e ter acesso a alimentos de alto valor nutricional.

Dessa forma, é um conceito que está muito atrelado às políticas públicas de incentivo à produção. No entanto, não se limita apenas aos governos. Empresas e demais organizações do setor privado podem contribuir para garantir uma maior segurança alimentar nas comunidades. 

Qual a diferença entre segurança alimentar e segurança de alimentos? 

Ainda é comum confundir a segurança alimentar com a segurança de alimentos. Entretanto, esses dois conceitos apresentam relevantes diferenças entre si.

Como você já entendeu, a segurança alimentar se refere ao acesso à alimentação e a definição de políticas públicas. A segurança de alimentos, por sua vez, é direcionada ao processo de produção destes.

Assim, o objetivo da segurança de alimentos é garantir a qualidade nutricional dos alimentos comercializados. Por isso, embora os conceitos sejam próximos, desempenham papéis diferentes na sociedade.

Quais os principais desafios da segurança alimentar?

Segundo relatório da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), mais de 800 milhões de pessoas estavam subalimentadas em 2021. O número indica, portanto, que quase 10% da população mundial está em estado de “insegurança alimentar”.

O dado é especialmente relevante pois a própria ONU tem como meta a erradicação da fome até 2030. Assim, a segurança alimentar faz parte de um dos seus Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

Nesse cenário, há algumas situações que países precisam encontrar soluções. As principais são:

Mudanças climáticas

Embora essa temática seja pauta de incontáveis discussões, é fato que mudanças climáticas impactam o processo produtivo. Afinal, pode afetar o solo e, consequentemente, as colheitas da população.

Por isso, encontrar soluções para essas alterações é um dos principais desafios da segurança alimentar — especialmente em comunidades de áreas mais pobres. Assim, é preciso encontrar e trazer culturas que possam se adaptar melhor a essas regiões.

Essa questão também pode trazer um aumento de pragas e outros agentes que não faziam parte de determinados ecossistemas. Dessa forma, se configuram mais um obstáculo para os pequenos produtores e para a produção de alimentos saudáveis.

Escassez de água e de recursos naturais

O ponto que também demanda muita atenção de especialistas são as questões de disponibilidade de água e outros recursos naturais. Esse é outro aspecto que vai dificultar o acesso à alimentação saudável para o povo.

Esses dois elementos são fundamentais para garantir que uma comunidade possa produzir comida. Assim, em um cenário de escassez de água e recursos, a fertilidade do solo será impactada. É possível, inclusive, que ele se torne impróprio para o plantio.

Falta de políticas públicas

Além disso, como você viu, a questão da segurança alimentar está muito ligada às políticas públicas de um país. Por isso, é essencial criar programas que priorizem essa questão e garantam oportunidades para os pequenos produtores.

É preciso, por exemplo, apresentá-los às melhores práticas agrícolas que, além de evitar desperdício, trarão um maior sucesso às colheitas. Também é necessário assegurar políticas de crédito e financiamento.

Portanto, momentos de instabilidade política e econômica colaboram para o aumento da insegurança. Em cenários como esse, os mais impactados acabam sendo as comunidades fragilizadas.

Veja mais desafios no vídeo abaixo:

Qual o papel das empresas em garantir a segurança alimentar? 

Como você viu, a questão da segurança alimentar é uma atribuição do governo de um país. É ele o responsável por elaborar e desenvolver políticas públicas com objetivo de trazer soluções para a população.

No entanto, as empresas, indústrias de alimentos e produtores rurais também podem desempenhar um importante papel nessa temática. Conheça algumas das áreas onde isso é possível: 

Usar agrotóxicos de forma controlada 

O primeiro passo envolve o uso controlado de agrotóxicos. Essa prática é essencial tanto para entregar um produto com mais qualidade para o consumidor final quanto para trazer segurança para os profissionais da área.

O Brasil, por exemplo, é um dos líderes no uso de defensivos. Por isso, é importante que empresas possam traçar estratégias visando diminuir essa utilização.

Uma prática que pode auxiliar é utilizar itens com uma toxicidade mais baixa. Isso já será responsável por aliviar os impactos na qualidade do alimento.

Também é importante atentar para o armazenamento desses agrotóxicos. Eles não podem ficar próximos dos alimentos e demais recursos utilizados no processo de produção – para que não haja contaminação cruzada

Já para os profissionais, é importante fazer o uso correto dos Equipamentos de Proteção Individual (EPI). Isso vai trazer uma maior segurança à sua saúde, preservando sua vida.

Agregar práticas sustentáveis de produção 

Outro aspecto essencial é buscar práticas sustentáveis para o ambiente rural. Nessa temática, você pode usar estratégias que sejam menos agressivas ao meio ambiente — e também aos produtos.

É importante, por exemplo, trazer e valorizar técnicas orgânicas de produção. Essa questão também reflete a temática do uso de defensivos naturais, minimizando a necessidade de agrotóxicos.

Assim, a indústria consegue diminuir seus possíveis impactos negativos no meio ambiente, além de aumentar o valor nutricional dos alimentos.

Utilizar embalagens adequadas

O uso de embalagens é uma questão que, por muitas vezes, não recebe a atenção devida. No entanto, ela também tem um papel importante no combate à insegurança alimentar.

Elas são essenciais, por exemplo, para evitar que o alimento seja exposto a situações que possam afetar sua qualidade. Além disso, trazem mais segurança para o seu manuseio e armazenamento.

Planejar a logística de transporte

Junto das embalagens, também é importante que empresas se dediquem ao planejamento da logística de transporte. Nesse cenário, é essencial pensar em cada tipo de alimento de maneira específica.

Alguns produtos podem exigir um transporte mais rápido para o ponto de venda, como os chamados “perecíveis”. Dessa forma, em contextos como esse, o uso de rodovias pode não ser a melhor estratégia.

Fazer uso da agricultura de precisão

A agricultura de precisão também é fundamental para auxiliar na garantia da segurança alimentar. Isso significa usar softwares e demais soluções tecnológicas que vão otimizar todo o processo de produção.

Assim, a empresa e os produtores rurais conseguirão evitar desperdícios em suas colheitas. Em adição a isso, conseguem minimizar as chances de erros no plantio — consequentemente, diminuindo a possibilidade de contaminação dos alimentos. 

Por isso, a tecnologia é essencial para os produtores rurais. Inclusive, uma das soluções que podem ser utilizadas na agricultura de precisão é o Checklist Fácil.

Com ele, a empresa consegue criar listas de verificação para a sua produção. Dessa forma, garante o cumprimento de todos os pontos obrigatórios, minimizando falhas e desperdícios.

Ter atenção ao preparar alimentos e refeições

Por fim, um aspecto que não pode ser ignorado de forma alguma é a atenção no preparo e manuseio dos alimentos. Essa questão, no entanto, é referente ao processo de distribuição para a população.

Nesse cenário, é imprescindível garantir que o local de armazenamento dos produtos seja higienizado regularmente. Assim, evita-se uma eventual contaminação.

Para isso, há duas boas práticas que podem ajudar:

  1. Manual de Boas Práticas (MBP);
  2. Procedimentos Operacionais Padronizados (POPs).

O primeiro item consiste justamente na definição de estratégias que vão garantir uma melhor preservação dos alimentos. Os POPs, por sua vez, são importantes para estabelecer as rotinas nessa área. 

Em ambos os casos, o Checklist Fácil desempenha um papel importante. Com ele, a empresa pode digitalizar os documentos e os deixar acessível a todos.

Além disso, com a solução, é possível fazer o acompanhamento em tempo real das tarefas. Garantindo, com isso, um melhor preparo dos alimentos.

Garantir a segurança alimentar é uma temática fundamental para toda a sociedade. Por isso, é importante que empresas, indústrias e produtores rurais consigam compreender e executar seu papel para tornarem esse processo possível.

Quer saber como sua empresa pode contar com a tecnologia nesse cenário? Agende uma demonstração gratuita do Checklist Fácil e entenda como ele pode agir no seu negócio.

Produtora de Conteúdo em Checklist Fácil
Jornalista e especialista em Comunicação Empresarial, sou apaixonada por marketing, escrever, criar e inovar. Além disso, amo correr, ler, ver filme e curtir uma praia.
Estefânia Martins

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *