Qual a importância do controle de manutenção e por que automatizá-lo?

Um eficiente controle de manutenção garante a fluidez do processo industrial quando se fala em maquinário. Automatize e implemente na sua indústria agora mesmo!

Tempo de leitura: 8 minutos
Gestora usando tablet para controle de manutenção

Anotações em cadernos e planilhas manuais podem se tornar verdadeiros obstáculos na gestão de empresas que estão em crescimento. Afinal, conforme as operações avançam, o volume de produção aumenta, e o que era feito e analisado com facilidade passa a exigir olhares mais cuidadosos e processos sistêmicos. Assim acontece com o controle de manutenção.

Isso porque o setor de manutenção nunca pode ser deixado de lado em nenhuma estratégia organizacional. Se você quer aumentar sua rentabilidade, é preciso considerar a otimização de rotinas de manutenção – do planejamento ao monitoramento de resultados.

Quando se fala em máquinas, equipamentos e ambientes em geral, é esse o setor que vai garantir a fluidez do processo industrial, bem como da qualidade do que é produzido. Então, como fazer o controle de manutenção de forma coerente e quais benefícios isso traz para a sua empresa? É o que vamos descobrir neste artigo!  

Mas afinal, o que é controle de manutenção?

Primeiramente, é preciso entender o conceito de controle de manutenção. Por mais que isso possa até parecer óbvio, nem sempre é. 

Afinal, quando se ouve falar em manutenção, qual é a primeira coisa que surge em sua mente? É muito comum remeter essa palavra ao conserto de algo que se quebrou ou parou de funcionar, o que não está errado. Mas a história não acaba por aí.

Essa é a primeira referência que temos ao pensar em manutenção no ambiente organizacional, porque também é a mais antiga. Na primeira geração da Revolução Industrial, a manutenção se restringia ao reparo pós-quebra, bem como serviços de limpeza e lubrificação.

Já a segunda geração foi marcada pela busca constante do aumento da produção, visando maiores lucros. Para atender a essa demanda, o maquinário aumentou e, com ele, a complexidade dos serviços de manutenção. Já não se podia mais esperar que um equipamento quebrasse para pensar em corrigi-lo. Era preciso evitar interrupções ao máximo.

Isso porque se percebeu que uma máquina quebrada significa o mesmo que desperdício de horas de produção e dinheiro. 

Desta forma, com o tempo, esse conceito foi evoluindo, e o controle de manutenção se tornou essencial, a fim de organizar e acompanhar todas as medidas que envolvem o bom funcionamento e conservação no ambiente empresarial.

Assim, o ato de reparar o que já está quebrado é apenas uma parte do controle de manutenção. Além dele, todas as ações que visam o bom funcionamento de um equipamento fazem parte do controle de manutenção.

Isso envolve, portanto, ações de conservação e promoção de melhorias contínuas que evitam falhas futuras. Nesse sentido, três tipos de manutenção são parte da rotina do gestor. A saber:

Manutenção corretiva

Se restringe ao reparo ou substituição de peças no maquinário após quebra. É a manutenção em que o equipamento não está funcionando, portanto, só envolve ações de correção e não de prevenção. 

Manutenção preventiva

É quando a manutenção é feita para evitar a falha que interrompe a produção. Ela é importante para evitar defeitos e acidentes. Geralmente, é feita de acordo com rotinas de boas práticas fornecidas pelos fabricantes das máquinas, o que ajuda no prolongamento de vida útil do equipamento. 

Manutenção preditiva

Tem a finalidade de detectar problemas que possam surgir. É feita por meio de equipamentos que fazem medições de aspectos gerais da máquina em questão, que podem ser de temperatura, pressão, vibração, etc. 

E PCM, o que é?

É muito comum encontrar a sigla PCM associada ao controle de manutenção. Isso ocorre porque ela corresponde justamente ao Planejamento e Controle de Manutenção. 

Portanto, quando se fala na estruturação de ações para o eficiente controle de manutenção, se fala em PCM.

O PCM é responsável pela gestão 360º de todos os serviços de manutenção organizacional. Assim, é ele que levará em conta custos, tempo entre falhas, condições gerais de ambientes e do maquinário, conjunto de ações que devem ser instituídas, bem como quando estas devem ser aplicadas, entre outros fatores.

O PCM deve contar com mão de obra especializada para a realização das manutenções, além de ter um supervisor para definir estratégias de execução e alocar recursos necessários para manutenção. 

Com ele, grandes gargalos da operação tendem a ser eliminados. Elevando, assim, o desempenho das máquinas e de toda a produção. 

Como implantar o PCM?

É um processo que pode variar de acordo com o segmento da indústria ou empresa. Mas em termos de fundamentos básicos, a implantação do PCM envolve, principalmente, a análise de dados.

Isso porque a falta de informações precisas complica a missão de traçar qualquer estratégia coerente. É por meio da geração de dados que se consegue colher, tratar e analisar o estado dos equipamentos e o funcionamento das máquinas de forma eficiente.

Por isso é tão difícil fazer o controle de manutenção sem o auxílio de tecnologia, uma vez que é ela que ajuda na gestão desse procedimento.

Muitas vezes, algumas rotinas parecem impossíveis de se medir. Mas, quando se fala em controle de manutenção, é preciso ficar atento às métricas, técnicas e ferramentas certas. 

Lembre-se: o que você deixa de medir, deixa de controlar. E são nessas ocasiões que surgem os maiores gargalos e prejuízos.

Por que é importante realizar o controle de manutenção?

Como falamos, a redução de desperdícios é uma das principais consequências do eficiente controle de manutenção e, portanto, uma das principais vantagens. Como desperdício, podemos considerar mão de obra, tempo e materiais. 

Sem planejamento e gestão, algum desses recursos sempre tende a pesar no bolso. 

Sendo assim, se você deseja garantir a vida útil dos equipamentos e manter sua produção em dia, bem como o seu planejamento financeiro, é bom inserir essa atividade na sua estratégia!

Quais indicadores de manutenção devem ser controlados

Essenciais para qualquer controle, os indicadores de desempenho servem para medir e comparar processos de acordo com a estratégia traçada. Assim, os indicadores de manutenção fundamentais para a rotina de qualquer organização são:

  1. MTBF;
  2. MTTR;
  3. (A);
  4. Backlog;
  5. CPMV;
  6. CMUP;
  7. CMF.

Para conhecer cada um deles e como fazer os cálculos na sua empresa, é só acessar esse conteúdo sobre indicadores de manutenção que já disponibilizamos sobre o assunto! 

O que é preciso para aplicar o PCM?

Para alcançar os melhores resultados no PCM, existem 3 fatores que precisam ser gerenciados de perto. São eles:

  1. Pessoas: Para que exista qualquer melhoria, é preciso contar com um time executor capacitado e alinhado com o restante do time, além de motivados e reconhecidos pelo seu trabalho;
  2. Processos: O “como” as manutenções são feitas são importantes para se analisar juntamente os indicadores de desempenho. Isso permitirá que o gestor otimize rotinas e garanta a execução plena de todas as atividades que envolvem o PCM;
  3. Ativos: Envolve o planejamento de recursos utilizados para o PCM, de forma integrada com os setores financeiro, estoque, compras e quaisquer outras áreas que atuam direta ou indiretamente com a manutenção. 

Quais informações devem constar em uma planilha de controle de manutenção?

Agora você deve estar se questionando: e como o controle de manutenção funciona na prática? Bem, já mencionamos a necessidade das ferramentas certas para esse desafio. Portanto, é preciso contar com tecnologias que permitam o registro de informações pertinentes.

São elas que trazem os dados de cada item, bem como de toda manutenção realizada, servindo, acima de tudo, como forma de monitoramento da operação.

Esses dados devem gerar relatórios periódicos, que permitam a criação de uma base histórica sobre todo o controle de manutenção, viabilizando a visualização do custo que foi otimizado, máquinas mais ou menos eficientes, equipamentos que devem ser substituídos, etc.

Fazer o relatório é simples. Você precisa adicionar ao documento as seguintes informações:

  • Data;
  • Responsável;
  • Equipamento ou componente avaliado;
  • Horas utilizadas para manutenção;
  • Problema encontrado;
  • Solução apresentada;
  • Data da nova manutenção.

Dependendo da especificidade do segmento industrial, outros itens podem ser acrescentados, caso seja de interesse do gestor. 

O importante, porém, é que as manutenções sejam feitas nos prazos corretos e que os relatórios sejam gerados em todas elas. Assim, há garantia quanto à confiabilidade desse histórico.

Por que você deve automatizar o controle de manutenção?

A automação nada mais é que o uso de tecnologia aliada à operação. A automatização de processos diz respeito à ação de utilizá-los através de softwares, que facilitam a execução, análise, monitoramento e gestão de cada procedimento fabril.

Assim, a automação pode ser aplicada nos mais diversos processos de uma organização, bem como em distintas áreas e departamentos. No setor de manutenção, como vimos, não é diferente: a automação não só pode ser aplicada, como é essencial para que o controle de manutenção seja assertivo.

Isso é o que vai contribuir para a geração de lucro, além de segurança, qualidade e capacidade de produção. Afinal, máquinas que demoram para serem reparadas geram perda de produtividade. Do mesmo modo, máquinas em péssimo estado entregam menos.

E quanto mais o problema se agrava, mais dinheiro é gasto no conserto.

Além disso, uma máquina parada é o mesmo que um investimento em vão, contribuindo para a desvalorização do item.

Com a digitalização de processos, o controle é feito de maneira organizada, o que evita que máquinas fiquem paradas por muito tempo. Isso porque, com o uso de sistemas, os problemas são identificados rapidamente, e as ações a serem tomadas também ficam mais ágeis.

Basta pensar que, com um controle integrado de processos, o setor de compras pode ter informações de estoque, preparando-se para manter todos os recursos mais utilizados e necessários para o dia a dia, minimizando tempos de parada.

O estoque, do mesmo modo, fica a par do que acontece na manutenção, e pode antecipar pesquisas e organizar melhor o armazém.

Com a automação, o controle de manutenção é feito em dia, e é possível até prever falhas e trocas periódicas segundo o comportamento de cada equipamento. 

Gere informações mais rápidas e precisas

Horas e horas computando e agrupando dados em relatórios manuais ficam no passado. Com a automação de relatórios do controle de manutenção, é possível configurar informações personalizadas, trazendo ganhos em produtividade com eficiência.

Assim, erros de digitação tendem a ser minimizados. E as chances de uma máquina ser esquecida, ou mesmo algum prazo ser perdido, também são muito menores. 

O Checklist Fácil, por exemplo, gera esses relatórios automaticamente, a partir dos dados coletados durante as checagens. Assim, você acompanha de perto o processo, podendo até detectar tendências de manutenção para cada máquina.

Melhore a análise da operação

Avaliar a performance do controle de manutenção também é outra tarefa muito beneficiada pela automação.

Afinal, relatórios de manutenção automatizados eliminam a redundância de informações, bem como evitam a falta de algum dado importante. Isso, do ponto de vista do gestor, é essencial, uma vez que é preciso ter uma visão mais concentrada da operação, com foco no que realmente importa.

Um ponto interessante que o Checklist Fácil oferece é a possibilidade de acessar rankings. Ou seja, é possível visualizar quais profissionais estão desempenhando melhor suas atividades e, quem sabe, premiá-los!

Facilite a compreensão de informações

Lembra quando falamos da importância da integração entre setores para o sucesso do controle de manutenção? É justamente isso. Não adianta ter um relatório completo se os dados não fazem sentido ou não estão acessíveis a todos os envolvidos.

Com a automação, os ganhos em padronização de processos e integração de dados são grandes, ajudando na leitura de informações mais intuitiva, bem como as tornando acessível a todos os departamentos diretamente ligados ao setor de manutenção. 

Agregue mobilidade

Além da possibilidade de acesso por todos os envolvidos de forma integrada, também é possível pensar na forma como acontece esse acesso. Sistemas em nuvem permitem que as informações sejam analisadas em tempo real, quando e onde o gestor quiser.

Isso significa que, mesmo por meio de um dispositivo móvel, sem estar necessariamente no chão de fábrica, o gestor pode controlar a manutenção. 

Por que usar um checklist online no controle de manutenção?

O checklist online cumpre com as tarefas que mencionamos nos itens anteriores, uma vez que permite a criação de listas personalizadas para o controle de manutenção da sua indústria.

Com o Checklist Fácil, por exemplo, o técnico sabe exatamente o que e quando cada uma das verificações precisa ser realizada. Além disso, o gestor passa a ter em mãos o acesso às não conformidades, o que agiliza no tempo de resposta em busca de soluções e planos de ação.

Como mencionamos, ele também permite o controle de indicadores de desempenho de toda a operação de manutenção, certificando-se de que as estratégias idealizadas estão de fato sendo executadas. 

É uma forma de garantir agilidade e segurança ao seu controle, bem como que a manutenção estará, de fato, sempre em dia.

Ficou interessado? Agende uma demonstração do Checklist Fácil e veja como é simples contar com a automação no dia a dia na sua empresa!

Especialista em Produto em Checklist Fácil
Especialista na solução Checklist Fácil, procuro colocar em cada conteúdo minha experiência e conhecimento. Assim, ajudo as empresas e seus colaboradores a terem mais qualidade e eficiência no trabalho.
Luciana Silva

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *