Conheça os 5 principais tipos de controle de qualidade

Quem deseja garantir a satisfação dos clientes precisa conhecer os principais tipos de controle de qualidade. Neste conteúdo, você vai ver 5 tipos que toda empresa deve realizar e, ainda, saber como executar esse trabalho. Acompanhe!

Tempo de leitura: 8 minutos
Profissional realizando um dos tipos de controle de qualidade

Manter um padrão nos processos e fabricação de produtos é essencial para empresas de vários segmentos, principalmente as indústrias. Mas, para traduzir isso em ações práticas, precisamos observar os diferentes tipos de controle de qualidade.

Em resumo, o controle de qualidade é um processo que ajuda uma empresa a garantir a melhor execução de cada atividade. Com isso, ajuda a diminuir erros, impactando positivamente a entrega final. Ele envolve, por exemplo, verificações de rotina em cada processo. Para, assim, determinar se ele está em boas condições, ou seja, de acordo com os padrões exigidos.

Aqui, iremos explorar alguns dos tipos de controle de qualidade mais comuns e eficazes. Ao longo do conteúdo, vamos aprender sobre cada um deles e também sobre a importância do controle de qualidade. Afinal, por que isso é tão relevante para uma empresa?

O que é controle de qualidade?

O controle de qualidade se refere ao processo de monitoramento da qualidade dos produtos produzidos. Ele é implementado por meio de medidas estatísticas e o acompanhamento contínuo de cada etapa do processo de produção e dos equipamentos utilizados. 

Esse trabalho é um compromisso corporativo porque busca garantir a produção de produtos sem defeitos, ideais para uso ou consumo. 

Embora seja mais frequentemente implementado na indústria, seus princípios também podem ser utilizados nos segmentos de serviços e em outras áreas. Nesse caso, as avaliações focam em outros aspectos da entrega final.

Quando acontece alguma variação na qualidade do produto, ou seja, há algo fora dos padrões estabelecidos, é preciso encontrar a fonte do problema. Geralmente, elas são causadas por:

  • Variações na matéria-prima;
  • Erro humano;
  • Falha nas máquinas;
  • Uso errado dos métodos e procedimentos de procedimentos de produção;
  • Falha na inspeção.

Para produzir produtos de qualidade, esses itens precisam ser verificados e controlados.

Qual a relação entre os tipos de controle de qualidade e a ISO 9000?

É praticamente impossível falar de controle de qualidade sem mencionar a ISO 9000. Esta é uma série de padrões internacionais que tem como objetivo estabelecer requisitos e recomendações de como as operações de gerenciamento devem ser conduzidas em uma empresa.

Seguir as determinações da ISO 9000 é fundamental para garantir que a qualidade esteja presente no resultado final. Em geral, ela indica que:

“Ao estabelecer padrões para as empresas seguirem – nos quais o consumidor está ciente – e garantindo que esses padrões nunca sejam desviados, a qualidade é alcançada.”

Essencialmente, seu objetivo é prevenir não conformidades. Por isso, as empresas devem passar por uma adaptação abrangente para se candidatar à certificação ISO 9000. Cumprindo pontos como:

  • Revisão e documentação dos procedimentos de gestão;
  • Criar descrições de cargos a partir do zero, levando em conta os requisitos da ISO;
  • Preparar um manual de qualidade;
  • Submeter verificações periódicas de padrões.

O processo de qualificação não é rápido. Mas, quando ocorre, dá à empresa um emblema importante no mercado. Afinal, ele demonstra seu compromisso com a qualidade, ajudando a posicionar sua marca como referência para os clientes.

O que faz os tipos de controle de qualidade?

Tudo bem, tivemos uma apresentação do que o controle de qualidade representa. Mas, em termos práticos, o que ela faz? Quais etapas são necessárias para realizar esse trabalho?

Para responder essas dúvidas, já começamos a entrar na lista dos tipos de controle de qualidade. Aqui, vamos apresentar 2 tipos, que podem ser feitos a partir da inspeção ou do controle estatístico.

Inspeção

A inspeção é um método comum usado para fins de controle de qualidade por meio de  fiscalizações e medidas de controle. É usado não apenas na produção de produtos, mas também em serviços.

Cada inspeção ajuda os gestores a localizarem onde estão as falhas no processo de fabricação. Em outras palavras, esse tipo de implementação do controle de qualidade permite que a empresa identifique os pontos em que começam os desvios do processo padrão. Saber disso é fundamental para adotar medidas de correção.

Também podemos separar as inspeções entre aquelas que acontecem nos produtos, ou seja, na etapa final, e também na inspeção dos processos.

Inspeção de produto

Como o próprio nome sugere, a inspeção do produto está relacionada ao produto final. Ou seja: aquilo que é enviado ao mercado.

O seu objetivo principal é garantir que os itens enviados ao mercado estejam de acordo com o padrão de qualidade estabelecido. Isto é, que está perfeito e sem defeitos.

Inspeção do processo

Já a inspeção do processo é a parte inicial, que depois prossegue para a inspeção do produto. Ela visa garantir que a matéria-prima, máquinas e equipamentos sejam usados com qualidade e de acordo com as funções prescritas.

Esse tipo de inspeção beneficia a empresa de duas maneiras: garante a fabricação de um produto de qualidade – já que todo o processo é validado e está de acordo com as normas. E, ainda, economiza dinheiro, pois evita o desperdício de material.

Controle estatístico da qualidade

Além da inspeção tradicional, é possível utilizar o controle estatístico. Esse é um método ou técnica avançada usada para controlar a qualidade de um produto

O objetivo do controle estatístico de qualidade é reunir dados que permitam a melhoria contínua dos processos de fabricação. Amostragem, probabilidade e outras inferências estatísticas são usadas neste método para controlar a qualidade de um produto.

Ele é amplamente utilizado no controle de processo em indústrias, principalmente nas que produzem bens em grande escala.

Segundo este método, todo o lote de produtos passa por três etapas que detalhamos a seguir.

1. Análise de Amostras

Essa análise é baseada em técnicas de amostragem. Em primeiro lugar, é identificado o universo, ou seja, a população a ser analisada. Após, é selecionada a amostra representativa de toda a população (grupo de produtos), que deve ser igualmente avaliada.

É importante destacar que, com esse método, não precisamos analisar a população. Mas apenas as chamadas unidades amostrais. 

O resultado extraído desse grupo é então contextualizado como um todo. Em outras palavras, esse controle por amostras significa uma inspeção estatística válida para todo o lote fabricado.

2.  Uso do gráfico de controle

Gráficos são sempre bem-vindos para retratar os níveis de controle. Os resultados obtidos na análise das amostras, por exemplo, podem ser apresentados neles.

O método para desenhar um gráfico é baseado nas características de qualidade da amostra selecionada. Aqui, você confere a média da amostra e também mede sua faixa de dispersão.

Assim, você tem um gráfico de controle pronto para orientá-lo sobre o desvio de qualidade de seus produtos.

3. Medidas corretivas

Por fim, a terceira etapa do controle estatístico é relacionada às medidas corretivas. Tendo desenhado o gráfico acima, toda empresa pode localizar de forma fácil e clara os pontos de desvios da qualidade e suas causas.

Isso permite que você desenvolva medidas corretivas para controlar o padrão do produto, de acordo com o planejamento.

Por exemplo: se a variação na qualidade for causada por alguma matéria-prima que está com qualidade inferior, a medida corretiva pode ser a troca de fornecedor. 

Da mesma forma, no caso de máquinas falhando ao longo do processo, uma saída seria adquirir máquinas novas e mais modernas. Ou então adotar um plano de manutenção mais adequado.

Importância de adotar os tipos de controle de qualidade no dia a dia

O controle de qualidade traz vantagens diferentes para todos os envolvidos na cadeia de produção e consumo – sejam produtores ou consumidores.

Em resumo, o controle de qualidade ajuda a:

Por último, vale destacar que é a partir do controle de qualidade que uma equipe pode confirmar se um produto fabricado está de acordo com o padrão estabelecido e recomendado pelas normas regulamentadoras.

Isso facilita ainda mais a tomada de decisão sobre qual caminho seguir para implementar as medidas de qualidade necessárias.

5 principais tipos de controle de qualidade

Chegando até aqui, você pode estar se perguntando como funciona o controle de qualidade para cada uma das áreas da sua operação. A verdade é que existem vários tipos de controle de qualidade e cada um deles tem características únicas, focadas em setores e produtos específicos.

É claro que a qualidade implementada no processo de fabricação de medicamentos será diferente daquela que fabrica peças de automóveis. Isso acontece porque as normas e expectativas do produto final são completamente distintas.

Fazendo uma categorização, podemos destacar aqui o 5 principais tipos de controle de qualidade:

1. Água

Sim, a utilização da água requer um controle à parte. Afinal, a qualidade da água usada em seus processos industriais afeta os bens e serviços.

A gestão da qualidade da água também é importante para manter a conformidade com padrões ambientais, de segurança e da indústria, que são cada vez mais rigorosos.

Nesse caso, a etapa principal é o pré-tratamento de água. Ela é responsável por remover impurezas da água de entrada. Logo é o primeiro passo para garantir a eficiência de uso, mantendo a conformidade com os padrões de qualidade.

Esse trabalho também pode auxiliar no processo de recuperação e reciclagem de água. Nesse caso, o monitoramento irá ajudar a:

  • Reduzir o desperdício de água;
  • Prolongar a vida útil dos equipamentos;
  • Manter ou melhorar a qualidade do produto;
  • Atender aos requisitos de sustentabilidade na cadeia de suprimentos;
  • Reduzir o uso de produtos químicos;
  • Manter um local de trabalho seguro e saudável para os funcionários.

2. Medicamentos

Outro tipo de controle de qualidade é o de medicamentos. Ele passa pelo processo de determinação de um plano de inspeção que atenda às normas deste segmento tão específico. Lembrando que no setor de indústria farmacêutica as normas são ainda mais rígidas.

Aqui, o controle é feito em duas etapas: 

  1. Testes, que validam a eficácia de cada composto;
  2. Nos processos, que garantem a fabricação em escala, sem comprometer o padrão.

O grande diferencial para garantir a qualidade são as especificações de medidas dos medicamentos. Neste segmento, são 3 tipos que precisam ser acompanhados de perto: peso, dosagem e concentração. Se uma delas for desrespeitada, há chances das empresas sofrerem punições.

Embora a organização precise inspecionar todos os medicamentos fabricados, após a aprovação dos testes, pode começar a implementar o processo de amostragem. Isso permite que ela economize tempo e dinheiro. Ao mesmo tempo em que pode determinar se todo um lote deve ser descartado ou mantido.

3. Fabricação de produtos

Neste tipo de controle de qualidade, uma equipe pode verificar a conformidade de um produto com seus requisitos funcionais. 

Esse é o formato mais conhecido e utilizado nas indústrias. Isso porque contar com ele significa garantir que a qualidade dos seus produtos será mantida ou melhorada. E mais: que os erros de fabricação serão reduzidos ou eliminados.

Esta atividade é aplicada principalmente no produto já acabado e executada antes da entrega para o mercado. Resumindo bem como funciona, é algo semelhante a retirar um item aleatório de uma linha de montagem para ver se está de acordo com as especificações técnicas.

4. Alimentos 

Ao criar qualquer tipo de alimento na indústria, existe um processo extenso, ou seja, uma série de etapas que todos os produtos enfrentam. Eles começam com a matéria-prima e terminam como um produto acabado, pronto para o consumo. 

Geralmente, até chegar no público final, temos essas fases:

  • Colheita ou abate;
  • Transformação;
  • Armazenamento;
  • Transporte;
  • Distribuição.

Nesse caso, o controle de processo é o tipo de controle de qualidade ideal para alimentos. Ele garante que tudo dentro de uma empresa está funcionando corretamente. Isso significa que todas as atividades incluídas em cada procedimento estão operando no ritmo correto, com pouca variação de resultado.

Um exemplo é verificar se as máquinas estão operando corretamente e produzindo os alimentos sem falhas, no tempo e volume esperados. Ele também garante, neste caso, que a empresa mantenha o desempenho de acordo com suas metas.

Outro ponto fundamental é observar a higiene dos ambientes e máquinas. A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) é a responsável por fiscalizar esse tópico. Assim, seguir toda a legislação é um elemento obrigatório para garantir a qualidade da produção. 

Acesse o Guia completo para entender a legislação da ANVISA no mercado alimentício

5. Recall

Por fim, temos uma atenção especial para o controle de qualidade com produtos que passam pelo processo de recall.

Pensando na lucratividade e sustentabilidade em longo prazo, os fabricantes precisam usar as ferramentas e os procedimentos adequados para gerenciar e reduzir os recalls. Muitos fabricantes, inclusive, empregam medidas de controle de qualidade por meio de softwares de gestão. Isso é essencial para cumprir com os regulamentos de rastreabilidade.

Os dados de rastreabilidade, por exemplo, mostram detalhes de fabricação. Desde a origem das matérias-primas e datas de produção até os números de lote e canais de distribuição.

Com essas informações, os fabricantes visualizam todo o ciclo de vida de um produto. Podendo localizar e isolar a causa raiz de um problema de recall. Além disso, eles podem:

  • Determinar quais produtos foram afetados;
  • Identificar para onde os produtos afetados foram enviados;
  • Fazer a comunicação para que os varejistas saibam exatamente quais produtos devem ser retirados das prateleiras.

Isso tudo também minimiza a perda de receita em itens não afetados.

Usar a tecnologia é essencial para todos os tipos de controle de qualidade

Agora que você conheceu os principais tipos de controle de qualidade, é preciso conferir também as ferramentas que apoiam esse trabalho. Precisamos contar com sistemas de gestão e controle em todas as etapas que vimos aqui. A principal delas é a de não conformidades. Afinal, como garantir que tudo será ajustado no momento e local certo?

Isso pode ser feito através das ferramentas de checklist online, como é o caso da Checklist Fácil, ferramenta líder do segmento na América Latina.

A Checklist Fácil pode ajudar no tratamento de não conformidade com a possibilidade de customizar diferentes etapas de um plano de ação. Assim, você cria uma demanda, de acordo com o que for necessário para solucionar o problema daquele projeto.

Além de customizáveis, os itens dos planos e checklists estão dentro de uma plataforma móvel, que pode ser acessada em qualquer computador ou em um app para celular. Isso facilita muito o registro de dados em tempo real, inclusive com envio de comentários e fotos. Assim, todos os envolvidos no projeto têm acesso às informações inseridas.

Quer conhecer mais sobre a nossa solução, que conta com mais de 150 funcionalidades? Então entre em contato com o nosso time e veja como o Checklist Fácil pode mudar a dinâmica no controle de qualidade e nos projetos da sua empresa!

Convidados especiais fazem parte do nosso blog. Especialistas incríveis que podem contribuir com conteúdo de qualidade para os leitores.

Posts Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *